Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 12 de junho de 2019.
Dia dos Namorados.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 12/06 às 08h03min

Após ganhos recentes, bolsas asiáticas fecham em baixa de olho em EUA-China

Estadão Conteúdo
As bolsas asiáticas fecharam em baixa nesta quarta-feira (12), após os mercados acionários de Nova Iorque interromperem ontem uma sequência recente de valorização em meio à disputa comercial entre Estados Unidos e China.
Ontem, o presidente dos EUA, Donald Trump, voltou a defender o uso de tarifas como parte de sua estratégia comercial e disse que não avançará nas negociações com a China a menos que Pequim ceda em quatro ou cinco "grandes pontos" que ele não especificou. O governo chinês, por sua vez, prometeu uma "dura resposta" se Washington insistir em intensificar as tensões comerciais.
Há expectativas de que Trump e o presidente da China, Xi Jinping, se encontrem às margens da reunião de cúpula de líderes do G20 prevista para o fim deste mês, em Osaka, no Japão. A presença de Xi no evento, porém, ainda não foi confirmada.
Depois de avançarem nos dois pregões anteriores, os mercados chineses migraram para o vermelho nesta quarta. O Xangai Composto caiu 0,56%, a 2.909,38 pontos, e o menos líquido Shenzhen Composto, formado por empresas menores, recuou 0,64%, a 1.528,40 pontos.
A queda também veio na esteira dos últimos dados de inflação da China. A taxa anual de inflação ao consumidor do gigante asiático acelerou de 2,5% em abril para 2,7% em maio, como previam analistas, atingindo o maior nível em 15 meses.
A desvalorização mais acentuada, porém, foi do Hang Seng, que caiu 1,73% em Hong Kong, a 27.308,46 pontos, em meio a violentos protestos locais contra um polêmico projeto de lei que propõe a extradição de supostos criminosos para julgamento na China continental.
Em outras partes da Ásia, o japonês Nikkei caiu 0,35% em Tóquio, a 21.129,72 pontos, após subir nas três sessões anteriores, e o sul-coreano Kospi recuou 0,14% em Seul, a 2.108,75 pontos, depois de quatro pregões de ganhos, mas o Taiex registrou alta marginal de 0,01% em Taiwan, a 10.615,66 pontos.
Na Oceania, a bolsa australiana terminou o dia em ligeira baixa, após atingir o maior nível em 11 anos e meio nessa terça-feira (11). O S&P/ASX 200 caiu 0,04% em Sydney, a 6.543,70 pontos, diante do fraco desempenho de ações financeiras e da área de saúde. 
CORRIGIR