Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 30 de maio de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Edição impressa de 30/05/2019. Alterada em 30/05 às 03h00min

Aprovada redução de recomposição de reserva

Emenda do texto base da MP que altera o Código Florestal foi considerada 'anistia' pela oposição

Emenda do texto base da MP que altera o Código Florestal foi considerada 'anistia' pela oposição


/Katia marcon/DIVULGAÇÃO/JC

A Câmara dos Deputados aprovou ontem, com 252 votos favoráveis e 79 contrários, emenda destacada do texto base do projeto de lei de conversão da Medida Provisória (MP) nº 867, de 2018, que muda o Código Florestal de 2012. A emenda altera o artigo 68 do Código Florestal, o qual cria um marco temporal previsto na lei, e, assim, reduzirá a necessidade de produtores de recompor áreas de reserva legal em propriedades rurais. Foram duas abstenções e 34 parlamentares estiveram em obstrução.

Pelo Código Florestal de 2012, o marco temporal continuava como o previsto na lei ambiental anterior, ou seja, os proprietários teriam de se adequar à área de vegetação original e às regras de 1965. Mas a emenda aprovada trouxe esse marco para 1989, aos produtores do Cerrado, e para 2000 para agricultores da Caatinga, Pampa e Pantanal.

Deputados contrários consideraram um "prêmio" e uma "anistia" a quem tem propriedades com áreas desmatadas e não deverão ser obrigados a recomporem a área. Já os parlamentares contrários refutaram a avaliação de que a emenda anistia produtores e consideraram a proposta um "marco temporal" que dará "segurança jurídica" aos produtores.

A emenda foi anexada ao projeto de lei de conversão oriundo da MP, que previa originalmente apenas a prorrogação, para 31 de dezembro de 2019, do prazo para que produtores se adequassem ao Programa de Regularização Ambiental (PRA), previsto no Código Florestal. A proposta será encaminhada ao Senado, que tem até o próximo dia 3 como o prazo máximo para aprová-la ou rejeitá-la.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia