Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de maio de 2019.
Dia Nacional do Café.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

Alterada em 24/05 às 19h30min

Desigualdade exige agenda de reformas corajosa no Brasil, diz FMI

O FMI (Fundo Monetário Internacional) avalia que o Brasil precisa de uma agenda corajosa de reformas para reduzir as desigualdades do país e acrescentou que a Previdência está entre essas medidas. Em comunicado que encerra visita ao País, o órgão diz que as novas regras para aposentadoria são cruciais para estabilizar os gastos previdenciários na próxima década e tornar o sistema mais igual.
"Para entregar o ajuste fiscal necessário, o Congresso deve preservar a proposta de aumento da idade mínima e a redução dos relativamente altos benefícios, especialmente os dos trabalhadores do setor públicos", escreveu o FMI. Segundo o órgão, o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro cresceu a uma taxa média de 2,5% desde 1980, bem abaixo dos países pares. Além disso, a dívida pública de 88% do PIB é uma das maiores entre os mercados emergentes e continua subindo. "Apesar da impressionante melhora em anos recentes, a desigualdade e a pobreza cresceram desde a recessão de 2015 e 2016, e permanecem altas para padrões internacionais", disse o fundo ao acrescentar que a desigualdade cresceu ainda em 2017.
Para enfrentar esses desafios, o governo tem enfatizado a necessidade de reformas que permitiram o Brasil voltar a crescer, diz o fundo. Para o FMI, porém, medidas adicionais a regras mais rígidas para aposentadorias são necessárias para o cumprimento do teto de gastos, como redução da folha de pagamentos do setor público e dos gastos correntes.
O fundo defendeu ainda o fim do reajuste do salário mínimo acima da inflação, porque o aumento eleva junto os gastos com aposentadoria e outros benefícios. Nos últimos anos, a política do salário mínimo previa, além da correção pela inflação, um percentual equivalente ao crescimento do PIB de dois anos antes. A política ainda não foi renovada sob o governo do presidente Jair Bolsonaro.
Apesar de defender o ajuste fiscal, o FMI sustentou que o governo deve preservar o programa Bolsa Família e outras medidas de proteção social além de manter investimentos públicos, ambos considerados essenciais para o crescimento sustentado e inclusivo da economia. Segundo o FMI, o Brasil precisa ainda promover a reforma tributária e medidas que melhorem a produtividade da economia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia