Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de maio de 2019.
Dia Mundial do Desenvolvimento Cultural.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 21/05 às 07h57min

Bolsas da Ásia fecham sem sinal único, com Xangai em alta e fraqueza em Tóquio

Estadão Conteúdo
As bolsas asiáticas fecharam sem sinal único, mas várias delas tiveram jornada positiva nesta terça-feira (21), após o governo dos Estados Unidos anunciar isenções temporárias para a companhia chinesa Huawei. As tensões comerciais entre EUA e Pequim, porém, continuam a gerar certa cautela e a conter o apetite por risco.
Na China, a Bolsa de Xangai fechou em alta de 1,23%, em 2.905,97 pontos, e a de Shenzhen, de menor abrangência, subiu 1,77%, a 1.619,66 pontos. Nessa segunda-feira (20), o Departamento de Comércio dos EUA afirmou que concederá licenças de 90 dias para que algumas companhias continuem a exportar para a Huawei e suas associadas, dando algum respiro à companhia de telecomunicações chinesa, alvo de restrições americanas anteriores. O diretor de pesquisas do London Capital Group, Jasper Lawler, destaca que a Huawei está presente em uma série de pontos no setor de tecnologia e diz que pode levar dias ou mesmo semanas para esse caso se desenrolar.
Já em Hong Kong, o índice Hang Seng teve queda de 0,47%, a 27.657,24 pontos. A praça local atingiu mínimas na sessão pouco antes do fim do pregão e terminou o dia nas mínimas em quase quatro meses, em parte porque uma série de ações nesta terça tiveram ajuste de preços para o pagamento de dividendos. Apesar dos ganhos de mais de 1% nas ações chinesas, em Hong Kong o dia foi negativo, com CNOOC em baixa de 2,05% e AIA, de 1,1%. Bank of China, por outro lado, subiu 1,4%.
Na Bolsa de Tóquio, o índice Nikkei registrou baixa de 0,14%, a 21.272,45 pontos. O setor de eletrônicos não se saiu bem, com Sony em queda de 4,4%. No setor de petróleo, Inpex caiu 2,7%, mas, entre outras ações em destaque, Isuzu Motors e Kobe Steel subiram 4,3% e 1,7%, respectivamente.
Na Coreia do Sul, o índice Kospi fechou com alta de 0,27%, em 2.061,25 pontos, recuperando-se após atingir na sessão anterior a mínima de fechamento em quatro meses e meio. Samsung subiu 2,7%, mas Hynix caiu 0,85%.
Em Taiwan, o índice Taiex subiu 0,64%, a 10.464,50 pontos. Largan avançou 1,9%, enquanto no setor financeiro Cathay e Fubon tiveram altas na casa dos 3%. Já Taiwan Semi caiu 1,7%.
Na Oceania, o índice S&P/ASX 200 fechou em alta de 0,37%, em 6.500,10 pontos, na Bolsa de Sydney. Em discurso nesta terça, o presidente do Banco Central da Austrália, Philip Lowe, sinalizou que deseja cortar a taxa básica de juros no país, mas também pediu medidas econômicas do governo para estimular a economia. Entre algumas das ações mais negociadas, CCP Technologies avançou 38,46% e AVZ Minerals ganhou 23,81%, mas Fortescue Metals recuou 2,39%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia