Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de maio de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

FRANCHISING

Edição impressa de 20/05/2019. Alterada em 20/05 às 11h01min

Feira de Franquias movimenta cerca de R$ 13 milhões em negócios em Porto Alegre

Diefenthaler, sócio-proprietário da 4Beer, quer abrir cinco franquias em 2019, somando 20 unidades em 2020

Diefenthaler, sócio-proprietário da 4Beer, quer abrir cinco franquias em 2019, somando 20 unidades em 2020


/MARCELO G. RIBEIRO/JC
Adriana Lampert
O final de semana foi de prospecção da chegada de diversas novas marcas de franquias no Estado, com a realização da 33ª Franchising Fair - Feira Nacional de Franquias. O evento movimentou pelo menos R$ 13 milhões em novos negócios, de sexta-feira a domingo, no quarto andar do shopping Bourbon Wallig em Porto Alegre. Esta foi a 15º edição da Feira na Capital. Por lá passaram 2,2 mil pessoas, metade do que o esperado pelos organizadores. "O sucesso é cristalino, ao contrário do ano passado quando a Feira ocorreu durante a greve dos caminhoneiros", pondera o diretor-organizador da Franchising Fair, Ademar Palh.
Apesar do fluxo de pessoas menor do que o esperado, o resultado financeiro ficou acima da estimativa dos organizadores, que calculavam um movimento em torno de R$ 10 milhões. "As pessoas que compareceram vieram com muito interesse em procurar um investimento com o seu perfil, para capital de giro", destaca Palh. "Esta edição nos surpreendeu bastante também pela qualificação do público, com muita gente de alto poder aquisitivo, focada em abrir um negócio, e mostrando que o setor segue na contramão da crise."
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
Apostar no know hown desenvolvido pelo fundador da rede de franquias Severo Garage e Severo Burger, Hélio Pacheco Nelsis, foi um dos atrativos da Feira. No mercado desde 2015, a empresa começou seu plano de expansão em 2017 e conta atualmente com 27 unidades. "Temos a meta de chegar a 40 franquias até o final deste ano e estamos nos reestruturando para atender futuros franqueados", afirma Nelsis. Ele aponta as margens elevadas de lucratividade e o suporte integral da franqueadora entre os motivos da marca estar em franca expansão. "Para que o negócio prospere é fundamental que o investidor seja um sócio-operador, e conheça o dia a dia da loja", adverte.
"Como temos uma presença muito forte dos sócios na operação, achamos melhor abrir franquias, porque é uma maneira de replicar a presença do proprietário no local", explica o sócio da 4Beer, Rafael Diefenthaler. Ele concorda que este é um item fundamental no critério de seleção de franqueados. "Acreditamos que se o proprietário está presente no negócio, irá contribuir para o engajamento na difusão da cultura cervejeira na cidade, a exemplo do que fazemos no Quarto Distrito, onde a sede está localizada."
De acordo com Diefenthaler, a meta da empresa - que fatura R$ 2,5 milhões por ano - é abrir cinco franquias em 2019, chegando a 20 unidades no ano que vem, e alcançando a marca de 50 até o final de 2021. Ele conta que o modelo de projeto de franquias começou a ser trabalhado em 2017, junto ao Sebrae. A seleção de franqueados começou em 2019, e a marca já conta com uma operação do gênero na Zona Sul de Porto Alegre. "Estamos ofertando cinco modelos de franquias, com investimentos que vão de R$ 250 mil a R$ 1,7 milhão."
Autorizada a comercializar produtos financeiros do mercado, a rede de correspondentes bancários Nobre promete aos consumidores atendimento "mais humanizado e personalizado" do que os oferecidos pelas instituições tradicionais. Segundo o gerente geral da Nobre, Deividi Belíssimo, este propósito é "seguido à risca", contribuindo para que a Nobre esteja "entre as franquias que mais crescem atualmente". "A empresa foi criada em 2016 e estamos atualmente com sete operações no Estado - em nosso plano de expansão vislumbramos contar com 50 franquias até 2021."

Evento contou com 100 marcas de diversos segmentos

Pahl destacou a característica empreendedora do povo gaúcho

Pahl destacou a característica empreendedora do povo gaúcho


/MARCELO G. RIBEIRO/JC
Optar por uma empresa que já parte de um negócio que deu certo - que passou por uma situação de crise e já está consolidada - é mais seguro do que abrir um empreendimento por conta e risco próprios, defende o diretor-organizador da Franchising Fair, Ademar Palh. "Pretendemos voltar para Porto Alegre no ano que vem, apresentando novas marcas e novas possibilidades de investimentos", afirma o organizador do evento, ao destacar que "povo gaúcho tem uma característica de ser muito empreendedor". Nesta edição, a Feira Nacional de franquias contou com 100 marcas, de diversos segmentos.
Presente no estande da Focus (empresa especializada em consultoria para empresas que sonham em criar uma rede de lojas), o proprietário da rede Sushi Namoto, Rodrigo Mirabeau de Andrade, a meta da empresa, que atualmente conta com quatro lojas, é abrir de duas a três unidades por ano, expandindo para a cidade de Canoas. Debutando na Feira, o proprietário da loja de produtos Nerds, Rafael Dei Svaldi, comenta que o evento serviu como "uma aula do universo de franquias". "Para nós é tudo muito novo ainda", observa, ao frisar que a marca recém inaugurou a primeira unidade da rede em Curitiba.
Criada em 2009, a Temakeria Japesca já chegou à Região Metropolitana de Porto Alegre, e hoje possui 16 lojas, sendo que a maioria (12) está presente na Capital. "Buscamos operador que participe ativamente das tarefas da empresa", destaca o diretor de Marketing, Rafael Hermann, comentando que o faturamento médio de cada franquia fica entre R$ 100 mil e R$ 120 mil.
Notícias sobre negócios e franquias são importantes para você?
>> Assine o JC e receba conteúdos como este onde você estiver. Clique agora! <<
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia