Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 17 de maio de 2019.
Dia Internacional contra a Homofobia. Dia Mundial da Internet.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

MERCADO FINANCEIRO

Alterada em 17/05 às 17h34min

Bolsas da Europa fecham em queda com negociações EUA-China e Brexit no radar

Estadão Conteúdo
Os mercados acionários europeus fecharam em queda nesta sexta-feira, 17, com os investidores de olho no aprofundamento das tensões comerciais entre Estados Unidos e China e nos desdobramentos da crise política envolvendo o Brexit. O índice Stoxx 600 encerrou o dia em baixa de 0,36%, chegando aos 381,51 pontos.
Os mercados europeus responderam com cautela à elevação do tom de voz da nação asiática, que, por meio do jornal estatal, chamou os americanos de "arrogantes" e responsáveis por "sérios revezes" nas negociações bilaterais. A reação vem após a decisão do governo dos EUA de limitar as operações de empresas chinesas no país.
A decisão da Casa Branca de adiar por 180 dias uma decisão final sobre eventuais tarifas para a importação de automóveis - o que impactaria as montadoras do continente - não foi suficiente para levar os mercados a campo positivo.
Em Frankfurt, o índice DAX, apresentou a maior queda entre os principais mercados acionários europeus, fechando com recuo de 0,58%, aos 12.238,94 pontos. As ações da BMW despencaram 5,06%, depois de a companhia anunciar um recall de mais de 106 mil veículos, devido a um problema de segurança em um dos seus modelos. Os papéis da Daimler e da Volkswagen também operaram no vermelho, fechando em baixa de 1,19% e 0,65%, respectivamente.
Em Paris, as ações da Renault baixaram 0,60% e contribuíram para a retração de 0,18% do índice CAC-40, que fechou aos 5.438,23 pontos.
No Reino Unido, a possibilidade de um Brexit sem acordo diante das dificuldades de consenso continuou pesando no humor do mercado. O líder do Partido Trabalhista, de oposição, Jeremy Corbyn, afirmou que é preciso haver uma pausa nas conversas com o governo em relação ao Brexit, dizendo que as duas partes foram o mais longe possível nesse diálogo.
Os papéis do setor bancário foram pressionados pela multa de 1,07 bilhão de euros aplicada pela Comissão Europeia a cinco bancos pela participação em dois episódios de cartel no mercado de câmbio à vista. As ações do Lloyds Banking caíram 1,90%, enquanto as do Royal Bank of Scotland cederam 1,85% e as do Barclays, 1,21%. O índice FTSE 100, da bolsa de Londres, recuou 0,07%, aos 7348,62 pontos.
O índice PSI20, da bolsa de Lisboa, fechou em baixa de 0,21%, aos 5.118,04 pontos e o índice Ibex 35, da bolsa de Madri, cedeu 0,26%, encerrando o dia aos 9.280,10 pontos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia