Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de maio de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Infraestrutura

Edição impressa de 16/05/2019. Alterada em 15/05 às 22h53min

Rio Grande do Sul prepara atlas de recursos hídricos

Estado conta com 122 hidrelétricas, sendo 18 de maior porte, 50 PCHs e 54 centrais geradoras hidráulicas

Estado conta com 122 hidrelétricas, sendo 18 de maior porte, 50 PCHs e 54 centrais geradoras hidráulicas


/CERTEL/DIVULGAÇÃO/JC
Jefferson Klein

Depois de realizar o mapeamento do potencial da geração de energia eólica em 2014, da biomassa (matéria orgânica) em 2016 e da solar em 2018, o governo gaúcho projeta para 2020 o término do atlas de recursos hídricos do Rio Grande do Sul. O trabalho apontará as regiões do Estado mais favoráveis para a instalação de hidrelétricas e também os locais em que as características, seja por motivos ambientais ou outros, desaconselham a implantação desse tipo de empreendimento.

O diretor do departamento de energia da Secretaria estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura, Eberson Silveira, comenta que serão colhidas informações de diversas entidades para compor o documento, entre elas, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam), a Associação Brasileira de Fomento às Pequenas Centrais Hidroelétricas (Abrapch) e a Associação Gaúcha de Fomento às Pequenas Centrais Hidrelétricas (Agpch). Silveira destaca que é preciso fazer o levantamento dos cursos dos rios, sendo que alguns deles já foram inventariados, mas outros não.

De acordo com o diretor do departamento de energia da Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura, preliminarmente, é possível apontar o Norte gaúcho como uma das áreas que apresenta as melhores condições para geração hidrelétrica no Estado. Silveira acrescenta que o Rio Grande do Sul é contemplado com a diversificação quanto à presença de fontes energéticas. "Temos água na metade de cima e vento e carvão na metade de baixo", enfatiza.

Entre os rios que apresentam potencial para a produção de eletricidade, o integrante da Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura cita o das Antas, o Uruguai e o Pelotas. Conforme Silveira, atualmente, o Estado possui 122 hidrelétricas, sendo 18 de maior porte, 50 pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) e 54 centrais geradoras hidráulicas (CGHs). A soma desses complexos totaliza 5.458 MW de capacidade instalada, o que representa mais da metade da potência instalada no Estado, levando em consideração todas as fontes de energia, que chega a 9.105 MW. No Brasil, são 1.343 empreendimentos hidrelétricos, que resultam em cerca de 108,5 mil MW, segundo a Aneel.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia