Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de maio de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Sistema financeiro

Alterada em 14/05 às 15h51min

Levy diz que Bndes lidera queda de crédito direcionado no País

O Bndes foi, senão a única, a principal fonte de redução de crédito direcionado", afirmou Levy

O Bndes foi, senão a única, a principal fonte de redução de crédito direcionado", afirmou Levy


ANTONIO CRUZ/AGÊNCIA BRASIL/JC
Estadão Conteúdo
O Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) está liderando a queda do crédito direcionado em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) entre as demais instituições financeiras públicas, afirmou nesta terça-feira (14), o presidente do banco, Joaquim Levy.
Segundo ele, entre 2015 e 2019, o crédito do Bndes caiu de 11,3% para 7% do PIB, enquanto as demais instituições, como Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, entre outras, registraram queda de 15,2% para 14,5% do PIB.
"O Bndes teve redução bastante significativa do crédito direcionado. Se deu basicamente no banco. O Bndes foi, senão a única, a principal fonte de redução de crédito direcionado", afirmou Levy durante coletiva sobre o lucro nos primeiros três meses do ano, um recorde para um trimestre desde o início da série histórica, em 2002, atingindo R$ 11,1 bilhões.
Ele informou que o porcentual do crédito direcionado do Bndes está voltando aos patamares pré-crise de 2008, de 6,5% a 7% do PIB, como registrado em 2007, depois de ter tocado 11,3% em 2015. Juntando todas as instituições com crédito direcionado, em 2015 essa modalidade representava 26% do PIB do País, destacou Levy.
"Estamos fazendo (reduzir crédito direcionado) e vai continuar a ser feito, e é o que permite que a gente devolva dinheiro para o Tesouro, porque o mercado tem capacidade de atender a essas demandas e deve estar contribuindo para diminuir o empréstimo direcionado", disse Levy, lembrando ainda que a redução da atuação do Bndes abre espaço para outros instrumentos, como as debêntures, e para o aumento de crédito livre por outras instituições.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia