Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de maio de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Edição impressa de 14/05/2019. Alterada em 14/05 às 10h43min

Pirelli fechará fábrica de Gravataí até 2021

Reorganização com encerramento da planta permitirá criação de polo para o mercado latino em São Paulo

Reorganização com encerramento da planta permitirá criação de polo para o mercado latino em São Paulo


/REPRODUÇÃO TWITTER PIRELLI /JC
Jefferson Klein
Sob a justificativa de fortalecer a sua planta em Campinas (SP), que atualmente se concentra exclusivamente na produção de pneus para carros, a Pirelli irá deslocar para a cidade paulista a fabricação de pneus de moto da unidade de Gravataí. O processo deverá ser concluído até a metade de 2021. O complexo gaúcho que será fechado começou a operar em 1976 e emprega atualmente 900 pessoas.
A decisão da empresa italiana foi anunciada em nota divulgada a partir de Milão. O comunicado, apesar de citar os impactos na unidade no Rio Grande do Sul, destaca que o grupo "confirma sua presença estratégica no Brasil por meio de uma reorganização da estrutura produtiva, que permitirá acelerar o foco nos produtos High Value (de alto valor) e melhorar a competitividade das fábricas no País, tendo em vista, inclusive, o cenário conjuntural difícil".
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
De acordo com a Pirelli, está previsto um plano de investimentos de € 120 milhões no período 2019-2021 para a modernização e a reconversão dos estabelecimentos produtivos de Standard a High Value e para o melhoramento do mix e da qualidade das fábricas de Campinas e Feira de Santana (BA). Esses investimentos se somam aos € 320 milhões que já foram realizados no período 2013-2018.
A reorganização envolvendo as unidades de Campinas e Gravataí, segundo a Pirelli, permitirá a criação de um polo industrial a serviço dos mercados latino-americanos, que se dedicará à produção de pneus de carro, moto e Motorsport. Essa operação, conforme a companhia, permitirá a otimização dos processos produtivos e dos fluxos logísticos, inclusive graças à localização da fábrica de Campinas, mais próxima às unidades produtivas das montadoras de carro e moto, e cujo fortalecimento permitirá a contratação de cerca de 300 pessoas até 2022.
A Pirelli afirma que, com o objetivo de chegar a um acordo com o sindicato que representa os trabalhadores, durante o período de transferência da produção, serão tomadas medidas de mitigação para reduzir os impactos sociais na planta de Gravataí. Uma situação que pode atenuar os reflexos é a contratação de pessoal por parte da Prometeon Tyre Group Brasil (também fabricante de pneus, mas de segmentos como de ônibus e caminhões). O secretário da Fazenda de Gravataí, Davi Severgnini, afirma que a decisão da Pirelli pegou o município de surpresa. O dirigente espera que sejam aproveitadas sinergias e que parte da mão de obra que será dispensada pela empresa seja absorvida pela Prometeon. Severgnini informa que a perspectiva de arrecadação da cidade com o ICMS a ser gerado pela Pirelli neste ano é de R$ 2 milhões, contra R$ 11 milhões da Prometeon.
O vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Artefatos de Borracha de Gravataí, Moacir Bitencourt, não acredita que a Prometeon terá capacidade para absorver muitos funcionários que sejam demitidos pela Pirelli. O sindicalista também foi surpreendido pela situação, mas ontem à noite mesmo a entidade realizou manifestações na unidade de Gravataí para demonstrar a contrariedade quanto ao fechamento da fábrica. Bitencourt adianta que, com mais tempo para processar as informações, deverão ser organizadas novas manifestações e paralisações, além da busca de apoio político para tentar reverter o cenário adverso.
 
Notícias sobre negócios são importantes para você?
>> Assine o JC e receba conteúdos como este onde você estiver. Clique agora! <<
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Eugênio Schneider Pithan 14/05/2019 11h25min
Não poderia ter começado a semana da pior maneira possível com uma notícia dessas! A Pirelli Gravataí foi a prepulsora de todo um começo evolutivo da cidade,muita coisa aconteceu em torno dela! Lamentável essa situação,tomara que alguma firma de grande porte assuma a mesma então!