Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de maio de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

balanços

Alterada em 07/05 às 20h48min

Endividamento da Petrobras apontado por dívida líquida/Ebitda atinge 3,19 vezes

Estadão Conteúdo
O indicador de endividamento da Petrobras medido pela relação entre a dívida líquida e o Ebitda ajustado atingiu 3,19 vezes em março de 2019, ante 2,34 vezes em dezembro e 3,52 vezes um ano atrás, em março de 2018. Os dados consideram o novo padrão contábil IFRS16. Sem contar o novo padrão contábil, o indicador estaria em 2,37 vezes no fim de março.
"A desalavancagem é prioridade para a Petrobras, cuja meta é reduzir o índice dívida líquida/Ebitda ajustado para 1,5 vez em 2020, considerando os efeitos do IFRS16. Em 31 de março de 2019, o endividamento bruto em reais recuou 6%, principalmente em decorrência da amortização de dívidas. O endividamento líquido e o índice dívida líquida sobre Ebitda ajustado aumentaram em função da adoção do IFRS16", diz o balanço publicado nesta noite de terça-feira (7).
O balanço informa que os arrendamentos mercantis, medidos pelo IFRS16, somaram R$ 105,979 bilhões no fim de março de 2019.
A dívida bruta total - que não considera o IFRS16 - atingiu R$ 307,099 bilhões, com recuo de 9,7% ante o montante observado em março de 2018 e baixa de 5,8% ante dezembro de 2018. A dívida líquida da petroleira atingiu R$ 372,232 bilhões, com alta de 43% ante março de 2018 e de 38,4% em relação a dezembro.
A parcela do endividamento em dólar subiu de 74% no final de 2018 para 76% em março de 2019, enquanto a parcela em reais caiu de 19% para 17%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia