Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 22 de abril de 2019.
Dia Mundial da Terra. Descobrimento do Brasil.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

energia

Edição impressa de 22/04/2019. Alterada em 22/04 às 10h11min

Certel quer elevar geração de energia

Companhia prevê começar, em outubro, as obras para construção de uma nova PCH

Companhia prevê começar, em outubro, as obras para construção de uma nova PCH


CERTEL/DIVULGAÇÃO/JC
Jefferson Klein
A cooperativa de eletrificação Certel, que já possui três pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) próprias e outra em parceria, que somam 20 MW de potência instalada, pretende aumentar seu parque gerador nos próximos anos. Um empreendimento que deve ser desenvolvido em breve é a usina Vale do Leite, cujo início das obras o grupo estima para o mês de outubro. Esse projeto, também uma PCH, será implementado no rio Forqueta, entre os municípios de Pouso Novo e Coqueiro Baixo.
O presidente da Certel, Erineo José Hennemann, comenta que estão sendo ultimados os detalhes quanto aos planejamentos financeiros e ambientais para começarem os serviços. A expectativa do dirigente é que até julho seja possível obter o licenciamento prévio para o complexo. Depois de iniciadas as obras, a perspectiva é que sejam necessários em torno de dois anos para concluí-las. A usina terá 6 MW de potência instalada, volume de energia que seria suficiente para atender a aproximadamente 18 mil famílias.
O investimento estimado na PCH Vale do Leite é de cerca de R$ 40 milhões. Hennemann adianta que a Certel já busca opções de financiamento para materializar a hidrelétrica. A cooperativa também avalia a melhor forma de comercializar a geração do complexo, poderá ser através do mercado livre (no qual grandes consumidores podem escolher de quem vão comprar a eletricidade) ou por meio de leilões de energia promovidos pelo governo federal.
Conforme o presidente da Certel, além da usina Vale do Leite, o grupo tem planos para instalar mais quatro usinas no rio Forqueta nos próximos 10 anos. Esses empreendimentos somariam uma potência de 25 MW e absorveriam um aporte de quase R$ 200 milhões. Apesar dos objetivos traçados na área de geração, Hennemann enfatiza que a cooperativa não irá se descuidar da sua atividade de distribuição.
A Certel, que está inserida em 48 municípios, fornece energia para cerca de 68 mil associados e para este ano calcula em aproximadamente R$ 60 milhões o investimento nesse segmento.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia