Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de abril de 2019.
Dia Nacional do Aço.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

contas públicas

Edição impressa de 09/04/2019. Alterada em 08/04 às 22h18min

Governo do Rio Grande do Sul coloca à venda primeira leva de imóveis nesta semana

O governo do Estado dá início hoje à primeira de uma série de concorrências que colocarão à venda dezenas de imóveis localizados em Porto Alegre e cidades do interior gaúcho. Integram este grupo inicial 32 propriedades, cuja avaliação mínima é de R$ 6,2 milhões. São apartamentos, lojas e salas comerciais que pertenciam ao Ipergs, na sua maioria localizados na Capital. O edital publicado pela Central de Licitações (Celic) compreende também imóveis em Viamão, Montenegro, Santa Maria, São Sepé, Garibaldi e Lavras do Sul. A concorrência acontece na sede da Celic, que fica na avenida Borges de Medeiros, 1.501, em Porto Alegre.
Este lote faz parte um total de 78 imóveis que a Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag) pretende colocar à venda ao longo das próximas semanas. Já na semana seguinte (dia 22), o Estado fará uma nova tentativa de vender cinco terrenos em Tramandaí, que, juntos, estão avaliados em R$ 7,5 milhões. A área está localizada na Avenida da Igreja, uma das regiões mais valorizadas do Litoral Norte. A abertura das propostas está marcada para as 14h, também na sede da Celic, em Porto Alegre.
Responsável pela administração do patrimônio do Estado, a Seplag está organizando um novo edital para os próximos dias reunindo outros 41 imóveis que igualmente pertenciam ao Ipergs. Da lista, farão parte, essencialmente, lojas e salas comerciais em Porto Alegre, em áreas com grande potencial, assim como outros bens situados em Lajeado, Encantado, Candelária, Novo Hamburgo e Esteio. O lote tem uma avaliação inicial de R$ 9,7 milhões.
As projeções são de uma arrecadação ao redor de R$ 22,7 milhões caso os certames envolvendo os 78 imóveis tenham êxito. Para a secretária Leany Lemos, este esforço para alienar ativos é um importante auxílio diante das dificuldades financeiras que o Estado enfrenta. A secretária acredita que, a partir de agora, será possível ter maior agilidade na venda de propriedades que já passaram por vistorias e avaliações. Pelo levantamento mais atualizado do acervo, são 8.832 matrículas regularizadas, onde a maioria (75% - 6.576 matrículas) tem uma destinação em termos de uso, como escolas, unidades policiais, presídios e outras instalações públicas. Outros 2.256 imóveis (25%) estão sem utilização, inclusive fora do território gaúcho. "É sobre este universo que precisamos atuar a partir de uma avaliação estratégica sobre cada imóvel, verificando o melhor aproveitamento, se o melhor é venda direta ou permuta por área construída", salienta. O Estado registra também ativos em Tatuí (SP), onde possui 10 lotes que foram transferidos da extinta Corlac. Seis desses lotes estão sendo colocados à venda através de concorrência na próxima sexta-feira. Cada um desses lotes tem avaliação inicial em torno de R$ 31 mil.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia