Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 05 de abril de 2019.
Dia dos Fabricantes de Materiais de Construção.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

05/04/2019 - 10h12min. Alterada em 05/04 às 10h12min

Dólar oscila entre margens estreitas antes de Payroll, Guedes e Maia

Estadão Conteúdo
O dólar oscila entre margens estreitas nesta sexta-feira (5), em meio à espera do relatório de empregos dos Estados Unidos em março (payroll), que será divulgado ainda nesta manhã, e de novidades da reforma da Previdência durante participação do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do presidente da Câmara, em evento de empresários em Campos do Jordão (SP).
Nessa quinta-feira (4), o dólar à vista caiu para R$ 3,8571, após sinais de vários partidos de apoio à reforma, embora a maioria das legendas não tenha fechado questão sobre o tema ainda. Bolsonaro se encontrou com líderes do DEM, PRB, PSDB, PP, PROS, PR e MDB e na próxima semana se reúne com a liderança do Avante, Novo, Solidariedade, Podemos, PR e PSL.
Às 10h10min, o dólar à vista recuava 0,54%, aos 3,857.
O mercado deve monitorar ainda as notícias de um café da manhã de Bolsonaro com jornalistas em Brasília. E avalia nesta manhã mais uma pesquisa XP, mostrando piora na avaliação do presidente Jair Bolsonaro. A pesquisa indica queda na avaliação positiva do presidente de 40% para 35% e aumento da avaliação negativa de 20% para 26%. De março para abril, passou de 37% para 42% o grupo que avalia o governo como ruim ou péssimo.
O levantamento, realizado entre os dias 1.º e 3 de abril com mil pessoas, indica ainda que 61% dizem ser necessária a nova Previdência, ante 71% em janeiro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia