Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 01 de abril de 2019.
Dia da Mentira.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Relações Internacionais

Edição impressa de 01/04/2019. Alterada em 31/03 às 23h08min

Brasil abrirá escritório de negócios em Jerusalém

Bolsonaro confirmou notícia; Netanyahu acredita que esse é o primeiro passo para abertura da embaixada

Bolsonaro confirmou notícia; Netanyahu acredita que esse é o primeiro passo para abertura da embaixada


/ALAN SANTOS/PR/JC

O presidente Jair Bolsonaro anunciou ontem a abertura de um escritório de representação comercial em Jerusalém "centrado em ciência, tecnologia e inovação". A notícia foi divulgada durante a visita do presidente brasileiro a Israel, onde desembarcou ontem. Além disso, Bolsonaro também disse em suas redes sociais que a resolução reconhece "os vínculos históricos de Jerusalém com a identidade judaica e também que a cidade é o coração político do Estado de Israel".

"Eu espero, e eu gostaria de acreditar, que esse escritório é o primeiro passo para a abertura de uma embaixada em Jerusalém, quando for o tempo", disse o premiê israelense, Binyamin Netanyahu. "O Brasil decidiu criar um escritório em Jerusalém para promover comércio, investimento e inovação, como parte da sua embaixada em Israel", confirmou o Ministério das Relações Exteriores.

Durante a campanha presidencial, Bolsonaro assumiu o compromisso de transferir a embaixada de Tel Aviv para Jerusalém, o que seria interpretado como o reconhecimento da cidade como a capital de Israel - os EUA, sob o comando de Donald Trump, e a Guatemala foram os únicos países a mudar o local da representação diplomática.

A decisão, porém, contraria a tradição diplomática brasileira de seguir a orientação das Nações Unidas e esperar uma resolução do conflito entre israelenses e palestinos para definir o status de Jerusalém, que ambos os povos clamam como sua capital. Além disso, a resolução também ameaça a venda de carne halal, preparada segundo os preceitos do islamismo, aos países árabes, um grande mercado ao produto brasileiro.

Durante a visita a Israel, Bolsonaro chamou Netanyahu de irmão e disse, em hebraico, que ama Israel. O presidente também agradeceu a ajuda israelense no resgate de vítimas em Brumadinho e afirmou que seu governo "está firmemente decidido a fortalecer a parceria Brasil-Israel. "A amizade entre os nossos povos é histórica. Tivemos um momento de afastamento, mas Deus sabe o que faz", declarou, referindo-se aos anos de governo PT, quando houve distanciamento diplomático.

Na agenda do presidente brasileiro está prevista para hoje uma visita à Unidade de Contraterrorismo da polícia israelense e a participação na cerimônia de condecoração da Insígnia da Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul à Brigada de Busca e Salvamento do Comando da Frente Interna de Israel. Amanhã, o presidente recebe CEOs de empresas israelenses e israelenses-brasileiras, participa de encontro empresarial Brasil-Israel e almoça com os empresários. A previsão é de que o presidente retorne ao Brasil na quarta-feira.

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, que integra a comitiva, negou que o fortalecimento das relações com Israel signifique que o Brasil esteja em um movimento de distanciamento dos países árabes. Heleno explicou que considera natural o interesse do Brasil em ter laços de cooperação com Israel em áreas nas quais o País tem tecnologias avançadas, como a militar e a de dessalinização de água. Mas afirmou que isso não deve ser visto como sinal de antagonismo com o mundo árabe.

Leia mais no caderno
Empresas & Negócios

Diplomatas de nove países fazem roteiro por fazendas gaúchas em Bagé e Dom Pedrito

Adidos agrícolas e representantes das embaixadas de nove países, como China, Austrália, França, Japão e Egito, estarão no Estado, a partir de hoje, para conhecer o agronegócio gaúcho. O grupo integra a quinta edição do Programa de Intercâmbio AgroBrazil, da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), e passará pelo porto do Rio Grande e por duas das maiores fazendas do Estado: a Estância Santa Maria, em Bagé; e a Estância Guatambu, em Dom Pedrito.

Nos últimos dois anos, o programa levou representantes de 20 delegações estrangeiras aos estados de Bahia, Pernambuco, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Pará.

O objetivo é apresentar a realidade da produção agropecuária e as ações e técnicas que a tornaram o principal setor da economia nacional. Agora, no desembarque no Rio Grande do Sul, o principal foco é a pecuária de ponta que tornou o Estado referência no segmento.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia