Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 28 de março de 2019.
Dia do Diagramador. Dia do Revisor.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Edição impressa de 28/03/2019. Alterada em 28/03 às 03h00min

Venda de sêmen da raça Angus cresce 28% no Brasil e chega a 4,9 milhões de doses

As vendas de sêmen Angus no Brasil fecharam 2018 em total de 4.944.288 doses, alta de 28,3% em relação ao comercializado em 2017, quando a raça respondeu por 3.853.398 unidades. Os dados foram apurados pela Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia) e divulgados pelo gerente de fomento da Associação Brasileira de Angus, Mateus Pivato, durante apresentação sobre a pecuária brasileira no Secretariado Mundial de Angus, em Punta del Este, Uruguai. A expansão registrada na Angus supera o desempenho do mercado nacional de sêmen para pecuária de corte, que registrou crescimento de 19,2% e atingiu a marca de 9,62 milhões de doses comercializadas entre todas as raças. Sozinha, a Angus responde por 51% de todo esse volume. "Os números confirmam que a Angus vem puxando a expansão do uso de sêmen de alta qualidade nos rebanhos brasileiros. E, mais que isso, vem agregando qualidade ao gado e à carne que produzimos", pontuou.
Em sua explanação, realizada durante fórum internacional que contou com a presença de mais de 20 países, Pivato ainda apresentou o novo projeto de genômica que será implementado no Brasil em 2019. "Nossa ideia é ter 2 mil animais genotipados este ano para começar a utilização da genômica no Brasil". No médio prazo, acrescentou ele, a genômica será utilizada para a seleção de características de difícil mensuração, como a resistência ao carrapato e a eficiência alimentar.
Segundo o presidente da Angus, Nivaldo Dzyekanski, os investimentos em genética trazem reflexo direto na mesa dos consumidores e na qualidade da carne e trabalhar junto aos países que também se dedicam à raça é salutar a todos.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia