Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 22 de março de 2019.
Dia Mundial da Água.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Varejo

Edição impressa de 22/03/2019. Alterada em 21/03 às 21h56min

Supermercados devem ter alta de 5,2% com a Páscoa

Segundo a pesquisa da Agas, os gaúchos pretendem gastar R$ 206,00 em presentes para a data neste ano

Segundo a pesquisa da Agas, os gaúchos pretendem gastar R$ 206,00 em presentes para a data neste ano


/JONATHAN HECKLER/ARQUIVO/JC

As 4,6 mil lojas do setor supermercadista gaúcho já montaram suas parreiras de chocolate para a Páscoa, tradicionalmente um dos melhores períodos de vendas para o segmento no Estado. Ao todo, 8,5 milhões de ovos de chocolate deverão ser comercializados, alavancando um faturamento de R$ 84,5 milhões para o setor.

A Associação Gaúcha de Supermercados (Agas) encomendou um levantamento ao Instituto Segmento Pesquisas, realizado entre os dias 25 de fevereiro e 8 de março, quando foram entrevistadas 200 pessoas residentes em Porto Alegre, de ambos os sexos, com idades entre 18 a 70 anos, e de todas as faixas de renda.

Pelo lado dos supermercadistas, foram ouvidos 20 diretores de empresas do setor em todo o Estado. Segundo o levantamento, a expectativa de crescimento nominal de vendas pelos empresários do setor é de 5,2% em relação à Páscoa do ano passado, e os preços estarão em média 2,7% superiores ao ano passado.

Para o presidente da Agas, Antônio Cesa Longo, a comemoração da Páscoa em abril, quando as temperaturas estão mais baixas do que em março, favorecerá o consumo de chocolates em 2019. "O cenário de maior estabilidade econômica e de possibilidade de retomada de investimentos, aliado ao clima mais frio de abril, deverá alavancar as vendas nesta Páscoa. Para os pequenos supermercados, que não dispõem de climatização nas lojas, é fundamental uma temperatura mais amena, facilitando a exposição dos chocolates", projeta Longo.

Segundo o dirigente, os tabletes, caixas de bombons e ovos menores deverão mais uma vez se destacar na Páscoa de 2019, a exemplo do comportamento registrado no ano passado. "A simbologia do presente é mais importante do que o tamanho do chocolate. Por isso, os gaúchos deverão adquirir mais itens, mas com menor valor agregado, para agraciarem mais pessoas de seu convívio", projeta o presidente da Agas.

O levantamento aponta que os gaúchos vão gastar, em média, R$ 206,00 nas compras de produtos para a Páscoa em supermercados neste ano. Em relação à intenção de compra comparado com 2018, 32% pretendem comprar mais que no ano passado, metade irá comprar a mesma quantidade (49%) e apenas 19% afirmaram que irão comprar menos.

Os filhos serão os mais presenteados, citados por 61,5% dos entrevistados; seguido de marido/esposa, com 38%; pais/avós, com 28%; e netos/bisnetos, com 24,5% das intenções.

A maioria dos consumidores pretende pagar as compras à vista: praticamente sete em cada 10 entrevistados afirmaram que vão comprar à vista (69%) e, destes, 70,3% irão pagar em dinheiro e 29,7% em cartão de débito. Dos 31% que irão comprar a prazo, o cartão de crédito se destaca para 79%, seguido do cartão do supermercado com 19,4%. Segundo Longo, a avaliação é de que os consumidores estão evitando o endividamento.

A pesquisa mostra também que 19,5% dos gaúchos vão comprar algum chocolate diet ou light. Outros 20% dos consumidores afirmam que comprarão algum produto de Páscoa artesanal, com destaque para ovos (77,5%) e trufas (40%) entre os compradores dos produtos não industrializados.

Os preços dos chocolates neste ano estão um pouco maiores do que os praticados em 2018, com um acréscimo médio de 2,7%, não deflacionado.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia