Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 21 de março de 2019.
Dia contra a Discriminação Racial.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 21/03 às 15h43min

Bolsas da Europa fecham sem direção única com Fed e BoE e com Brexit no radar

Estadão Conteúdo
As principais bolsas da Europa fecharam sem direcionamento único nesta quinta-feira, 21, com os mercados digerindo as recentes decisões do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), na quarta-feira, e do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), nesta manhã. O conturbado processo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE) também continua em foco. O índice pan-europeu Stoxx 600 terminou em queda de 0,04%, aos 380,69 pontos.
Conforme o previsto, na quarta-feira, o Fed manteve seus juros básicos na faixa de 2,25% a 2,50%, indicando também que não irá elevar as taxas até o final deste ano, diante de sinais de desaceleração da economia global. No Reino Unido, na mesma linha, o BoE anunciou nesta manhã que manteve sua taxa básica de juros inalterada em 0,75%, reforçando os riscos que o Brexit representa para a perspectiva do Reino Unido.
O divórcio entre o país e o bloco continua como ponto de atenção no Velho Continente. A primeira-ministra britânica, Theresa May, evitou responder se estaria disposta a conduzir uma separação da UE sem acordo até o dia 29 de março, caso o Parlamento britânico rejeite, pela terceira vez, sua proposta de acordo em eventual votação na semana que vem. Na cúpula do Conselho Europeu que ocorre nesta quarta, uma definição nesse sentido deve ocorrer.
Entre as ações em destaque, o setor bancário pesou na bolsa de Frankfurt, cujo índice DAX caiu 0,46%, fechando em 11.549,96 pontos. Os papéis do Deutsche Bank e do Commerzbank caíram 4,10% e 3,36%, respectivamente, com preocupações de que a eventual fusão dos dois maiores bancos da Alemanha possa pressionar o Deutsche a diminuir ou até mesmo desfazer seus negócios nos EUA.
Em Londres, a bolsa foi apoiado pela alta das mineradoras, que, por sua vez, se beneficiaram da libra em queda com as incertezas do Brexit e das decisões judiciais que permitiram à Vale retomar suas operações em uma mina de ferro no interior de Minas Gerais. O índice FTSE 100 fechou em alta de 0,88%, em 7.355,31 pontos, com ganhos da Rio Tinto (+1,87%), BHP (+1,62%) e Glencore (+0,60%).
Em Paris, o índice CAC-40 fechou em queda de 0,07%, em 5.378,85 pontos; em Milão, o índice FTSE-MIB subiu 0,20%, em 21.373,06 pontos; em Madri, o índice IBEX 35 fechou em baixa de 0,53%, em 9.355,60 pontos; e em Lisboa o índice PSI 20 fechou em alta de 0,04%, em 5.267,78 pontos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia