Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 19 de março de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tecnologia

Edição impressa de 19/03/2019. Alterada em 18/03 às 22h36min

Dona da Claro compra a Nextel

Em mais um sinal de consolidação do mercado de telefonia no País, a mexicana América Móvil, dona da Claro, Net e Embratel, comprou a Nextel por US$ 905 milhões (cerca de R$ 3,5 bilhões). Com isso, a empresa se consolida como a segunda maior operadora de telefonia móvel do Brasil, com 59,7 milhões de clientes, número que corresponde a 26,05% de participação no mercado. Fica atrás da líder Vivo, com fatia de 31,92% (73,160 milhões de linhas), e na frente da TIM, com 24,4% (55,9 milhões). O negócio vai, na opinião de analistas do setor, disparar os ânimos no setor para outros movimentos de fusões e aquisições. Estão na mesa hoje uma possível venda da Sky, da americana AT&T, e uma união entre Oi e TIM.
A Nextel conta com um total de 3,3 milhões de clientes pós-pagos no Rio de Janeiro e em São Paulo, e já estava à venda há pelo menos dois anos. A TIM chegou a estudar uma proposta pela operadora, mas foi vencida pela rival mexicana. Para especialistas, apesar de a quantidade de clientes ser pequena em relação ao total de mercado brasileiro, a dona da Claro consegue reforçar sua atuação nos dois principais centros de consumo do País.
Com o negócio, a América Móvil vai adquirir 100% das ações da Nextel, hoje comandada pela americana NII (que detém 70% da empresa) AI Brazil Holdings (30%). O valor da compra não inclui a dívida da Nextel, de US$ 632 milhões (de R$ 2,4 bilhões).
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia