Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 25 de janeiro de 2020.
Aniversário da cidade de São Paulo. Aniversário dos Correios e Telégrafos.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Siderurgia

04/03/2019 - 10h26min. Alterada em 05/03 às 02h19min

Vale diz que presidente interino manterá diálogo aberto com stakeholders

Eduardo Bartolomeo acumula 10 anos de experiência na mineradora

Eduardo Bartolomeo acumula 10 anos de experiência na mineradora


VALE/DIVULGAÇÃO/JC
A Vale distribuiu nesta segunda-feira (4), um comunicado com mais informações sobre Eduardo Bartolomeo, escolhido como presidente interino da mineradora após o afastamento de Fábio Scharvtsman. De acordo com a empresa, o executivo, "reconhecido por acumular experiências distintas e ao mesmo tempo conhecer o negócio da Vale, manterá um diálogo aberto e transparente com os diversos stakeholders da companhia".
A Vale distribuiu nesta segunda-feira (4), um comunicado com mais informações sobre Eduardo Bartolomeo, escolhido como presidente interino da mineradora após o afastamento de Fábio Scharvtsman. De acordo com a empresa, o executivo, "reconhecido por acumular experiências distintas e ao mesmo tempo conhecer o negócio da Vale, manterá um diálogo aberto e transparente com os diversos stakeholders da companhia".
Além de Scharvtsman, outros três diretores também fizeram o pedido de afastamento: Gerd Peter Poppinga (Diretor-Executivo de Ferrosos e Carvão), Lucio Flavio Gallon Cavalli (Diretor de Planejamento e Desenvolvimento de Ferrosos e Carvão) e Silmar Magalhães Silva (Diretor de Operações do Corredor Sudeste).
Segundo a mineradora, a escolha de Bartolomeo seguiu o processo sucessório de acordo com o plano de interinidade previamente discutido pelo Conselho de Administração. "Sua escolha está alinhada com o objetivo de trazer um executivo sênior para garantir estabilidade às operações da Vale, continuidade do processo de indenização, reparação e mitigação dos efeitos do rompimento da Barragem I da Mina do Córrego do Feijão", afirmou a Vale no texto.
A empresa forneceu um detalhamento das recentes funções de Bartolomeo e também enumerou suas qualidades, ao dizer que ele "é um executivo sênior com sólida experiência em operações integradas de bulk commodities, supply chain, e turnaround de negócios". De acordo com o comunicado, Bartolomeo "possui experiência em liderar operações complexas e estabelecer uma cultura de excelência operacional".
No texto, a Vale diz que o executivo possui experiência de 10 anos na Vale, já tendo exercido a posição de diretor-executivo de Logística, Operações Integradas de Bulk Commodities (minério de ferro, carvão e manganês) e, mais recentemente, como diretor-executivo de Metais Básicos. Foi também membro do Conselho de Administração, do Comitê Financeiro e do Comitê de Governança, Conformidade e Risco da Vale entre 2016 e 2017, acrescentou a companhia.
Bartolomeo também trabalhou na Ambev entre 1994 e 2003, "tendo exercido funções executivas, sendo a última como diretor de Operações" e, segundo o comunicado da Vale, possui também experiência como diretor-presidente e conselheiro em outras empresas.
Na gestão de Roger Agnelli, que durou dez anos e se encerrou em 2011, passou por dois cargos: nos primeiros dois anos na mineradora, de 2004 a 2006, ele foi diretor do departamento de operações logísticas. Em 2007, foi promovido a diretor executivo da mineradora, gerenciando operações e minas, ferrovias e portos Nessa época, liderava uma equipe de 60 mil funcionários.
Pouco tempo depois da saída de Agnelli, em 2011, após forte pressão do governo Dilma Rousseff para a troca do comando da mineradora, o presidente interino deixou as funções executivas da companhia durante a gestão de Murilo Ferreira, que se estendeu até 2017.
No fim da gestão de Ferreira, em setembro de 2016, Bartolomeo foi escolhido para representar o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico (BNDES) no conselho da empresa, em cargo que já havia ocupado por Luciano Coutinho, ex-presidente do banco de fomento. Permaneceu na posição até dezembro de 2017
Bartolomeo voltou à companhia por intermédio de Schvartsman, um mês após deixar o conselho. Em janeiro de 2018, assumiu a diretoria executiva de metais básicos da companhia. Somada à experiência na gestão de Agnelli, o executivo acumula quase uma década como executivo da mineradora.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia