Porto Alegre, sábado, 01 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 01 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Agronegócios

- Publicada em 23h29min, 24/02/2019.

Colheita do arroz é aberta oficialmente no Estado

Lideranças políticas e agrícolas estiveram no evento em Capão do Leão

Lideranças políticas e agrícolas estiveram no evento em Capão do Leão


/FAGNER ALMEIDA/FEDERARROZ/DIVULGAÇÃO/JC
A busca por novas alternativas de renda e a necessidade de medidas governamentais que defendam a cadeia orizícola marcaram a Abertura Oficial da Colheita do Arroz na sexta-feira, na Estação Experimental Terras Baixas da Embrapa Clima Temperado, em Capão do Leão. O presidente da Federarroz, Henrique Dornelles, destacou que o Rio Grande do Sul tem a segunda maior produtividade do mundo em áreas de mais de um milhão de hectares de arroz e, ao mesmo tempo, os piores preços e competitividade, assim como a menor renda. "O brasileiro se alimenta de forma muito barata, especialmente de arroz, na comparação com outros países, e quem está pagando isso é o produtor. E só se tem preço quando ocorre quebra de produção", ressaltou.
A busca por novas alternativas de renda e a necessidade de medidas governamentais que defendam a cadeia orizícola marcaram a Abertura Oficial da Colheita do Arroz na sexta-feira, na Estação Experimental Terras Baixas da Embrapa Clima Temperado, em Capão do Leão. O presidente da Federarroz, Henrique Dornelles, destacou que o Rio Grande do Sul tem a segunda maior produtividade do mundo em áreas de mais de um milhão de hectares de arroz e, ao mesmo tempo, os piores preços e competitividade, assim como a menor renda. "O brasileiro se alimenta de forma muito barata, especialmente de arroz, na comparação com outros países, e quem está pagando isso é o produtor. E só se tem preço quando ocorre quebra de produção", ressaltou.
O evento deste ano teve o objetivo de dar ao produtor a opção de que se, no próximo ano, verificar que não terá preço ou abundância de produção, poderá plantar uma outra cultura, afirmou Dornelles. "Diversificar não é somente sustentabilidade, é também mexer com o mercado que hoje está muito confortável porque sabe que o gaúcho entrega 8 milhões de toneladas de arroz, embora, infelizmente esse ano não seja o caso em função de quebra de safra aliada a uma redução de área, e todo esse contexto levou a um grande endividamento que superou a R$ 2,5 bilhões", ressaltou.
O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, disse que o principal pedido da categoria - a redução do ICMS de 12% para 7% - já está sendo analisado por uma equipe técnica do governo, com integrantes das secretarias da Agricultura e da Fazenda. "Estamos vendo se é possível e o que seria possível fazer. Não descartamos essa redução, mas isso merece uma análise técnica, com muita responsabilidade", explicou Leite.
Comentários CORRIGIR TEXTO