Porto Alegre, sábado, 01 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 01 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Consumo

- Publicada em 00h00min, 20/02/2019.

Faturamento do e-commerce soma R$ 53,2 bi em 2018

Compras pela internet registraram expansão de 12% no ano passado

Compras pela internet registraram expansão de 12% no ano passado


/KATEMANGOSTAR/FREEPIK.COM/DIVULGAÇÃO/JC
O segmento de comércio eletrônico encerrou o ano de 2018 com faturamento de R$ 53,2 bilhões, o que representa uma alta nominal de 12% na comparação com 2017. Foram 123 milhões de pedidos realizados pelo e-commerce, 10% a mais do que no ano anterior. O tíquete médio de compras foi de R$ 434, ligeira alta de 1%. O levantamento foi realizado ontem pela EbitNielsen.
O segmento de comércio eletrônico encerrou o ano de 2018 com faturamento de R$ 53,2 bilhões, o que representa uma alta nominal de 12% na comparação com 2017. Foram 123 milhões de pedidos realizados pelo e-commerce, 10% a mais do que no ano anterior. O tíquete médio de compras foi de R$ 434, ligeira alta de 1%. O levantamento foi realizado ontem pela EbitNielsen.
Para 2019, a expectativa é de expansão de 15%, com vendas totais de R$ 61,2 bilhões. Os pedidos devem ser 12% maiores, 137 milhões, e o tíquete médio deve chegar a R$ 447, aumento de 3%. Ana Szasz, líder comercial para EbitNielsen, diz que a previsão leva em conta a entrada de novos consumidores e a expansão do mercado de dispositivos móveis e da banda larga no Brasil, além da migração do varejo off-line para o on-line.
"Registramos mais pedidos do que o previsto e, em compensação, menor tíquete médio, mas esse é um excelente indicador, pois é reflexo direto da chegada de novos consumidores - cerca de 10 milhões em 2018 - e do perfil de consumo. Categorias como cosméticos, perfumaria e moda lideraram o ranking das mais pedidas e se caracterizam por maior recorrência e pedidos de menor valor. Essa é uma tendência que também deve se manter forte para 2019", diz a representante da EbitNielsen.
 

Vendas do varejo sobem 0,9% em janeiro, revela Serasa Experian

As vendas do comércio no País subiram 0,9% em janeiro ante dezembro, quando houve queda de 0,1%, conforme a Serasa Experian. No confronto com o primeiro mês de 2018, houve alta de 9,5%.

A alta foi influenciada pelo avanço do crédito e da confiança, impulsionando as vendas em setores que têm relação com essas variáveis: material de construção e veículos, motos e peças. Já nos segmentos mais dependentes da renda e do emprego, as taxas ainda ficaram negativas.

Em material de construção, as vendas subiram 1,7% em janeiro ante dezembro, e na de veículos, motos e peças teve crescimento de 0,5%.

Houve recuo nas vendas de supermercados, hipermercados, alimentos e bebidas (-1,4%); móveis, eletroeletrônicos e informática (-2,3%), combustíveis e lubrificantes (-1,8%); tecidos vestuário, calçados e acessórios (-5,4%).

No confronto com janeiro de 2018, as altas também ficaram concentradas nos segmentos de material de construção (12,3%) e veículos, motos e peças (8,3%). Já os demais apresentaram declínio: supermercados, hipermercados, alimentos e bebidas (-4,2%); móveis, eletroeletrônicos e informática (-6,1%), combustíveis e lubrificantes (-0,1%); e tecidos vestuário, calçados e acessórios (-5,2%).

Comentários CORRIGIR TEXTO