Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

15/02/2019 - 19h56min. Alterada em 15/02 às 19h56min

Dólar oscila ante euro e recua ante divisas de países emergentes e commodities

Estadão Conteúdo
O dólar oscilou em relação ao euro ao longo do pregão, com a moeda comum influenciada pelos sinais do Banco Central Europeu (BCE). Além disso, a divisa dos EUA caiu em relação a várias divisas de países emergentes e ligados a commodities, em dia de avanço forte do petróleo e um maior apetite por risco no mercado cambial.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar caía a 110,42 ienes, o euro avançava a US$ 1,1303, perto da estabilidade, e a libra tinha alta a US$ 1,2894.
O euro chegou a recuar durante o pregão após um integrante do conselho do Banco Central Europeu (BCE), Benoît Coeuré, sugerir que a instituição pode reativar sua operação de refinanciamento de longo prazo (TLTRO, na sigla em inglês) para bancos. A declaração foi vista por alguns investidores como sinal de fraqueza regional da economia da zona do euro.
"Isso é um reconhecimento que o crescimento tem desacelerado e que o BCE precisa adotar alguma ação", afirmou Vassili Serebriakov, estrategista cambial do UBS. "Há relutância em desistir da ideia de normalização política."
Os investidores também monitoraram os desdobramentos da negociação comercial entre EUA e China. O presidente americano, Donald Trump, afirmou que as partes estariam "perto" de um acordo, mas sem garantir que haverá uma solução.
A libra, por sua vez, avançou após as vendas no varejo do Reino Unido superarem a expectativa, com alta mensal de 1,0% em janeiro, quando analistas previam avanço de 0,7%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia