Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019.
Aniversário da Casa da Moeda do Brasil.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

11/02/2019 - 18h51min. Alterada em 11/02 às 18h51min

Dólar tem quarta alta consecutiva com exterior negativo e vai a R$ 3,7649

Estadão Conteúdo
O dólar teve nesta segunda-feira (11), o quarto dia consecutivo de alta e terminou em R$ 3,7649 (+0,99%). Foi a terceira maior valorização entre os principais emergentes, considerando uma cesta de 24 moedas. Com a agenda doméstica esvaziada, o câmbio acabou sendo influenciado pelo noticiário externo. A segunda-feira foi marcada por aumento da aversão ao risco dos investidores internacionais, por conta de dúvidas sobre os rumos das negociações comerciais entre os Estados Unidos e a China, e temor de piora da economia europeia, após dados fracos de crescimento do Reino Unido, o que fortaleceu o dólar, tanto ante divisas de emergentes como países desenvolvidos.
No mercado doméstico, as mesas de câmbio seguiram em busca de novidades sobre a reforma da Previdência para montar as apostas. Mas os avanços só devem ocorrer após o presidente Jair Bolsonaro sair do hospital, onde está internado desde 28 de janeiro. Nesta segunda, de acordo com o boletim médico, o presidente teve melhora clínica e recebeu alta do tratamento semi-intensivo. O porta-voz do Planalto disse que a proposta da reforma da Previdência será apresentada "assim que o presidente puder avaliar". Em entrevista na TV, Bolsonaro disse que espera ter alta esta semana.
Sem novidades locais, o real acompanhou o movimento das demais moedas, que se enfraqueceram ante o dólar, ressalta um gestor carioca. Na máxima do dia, o dólar chegou a bater em R$ 3,77. Uma das preocupações dos investidores, observa este executivo, é que o diferencial de crescimento entre os EUA e outras economias, sobretudo as europeias, se amplie. Nesta segunda foi divulgado o Produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido e os dados decepcionaram, com o bloco de países registrando o pior avanço em 2018 desde 2012, o que realimentou temores de que outros países da Europa e da economia mundial possam apresentar piora da atividade. O reflexo imediato foi que a libra e o euro caíram ante o dólar. Em Washington, há ainda preocupações com uma nova paralisação do governo.
Entre os emergentes, uma das mostras da fraqueza destas moedas foi o desempenho do fundo de índice (ETF, na sigla em inglês) WisdomTree Emerging Currency Strategy Fund, que replica estas divisas, e tinha queda de 0,57% à tarde. O dólar subiu forte também perante divisas pares do real no mercado internacional de moedas, como o peso mexicano (+1,28%) e o rand da África do Sul (+1,54%).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia