Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019.
Aniversário da Casa da Moeda do Brasil.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Reforma da Previdência

Edição impressa de 11/02/2019. Alterada em 11/02 às 07h06min

Idade mínima igual para homens e mulheres é polêmica da reforma

Equipe econômica quer que trabalhadoras se aposentem aos 65 anos

Equipe econômica quer que trabalhadoras se aposentem aos 65 anos


/JOÃO MATTOS/arquivo/JC
A fixação de uma mesma idade de aposentadoria (65 anos) para homens e mulheres, defendida pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, é uma das principais polêmicas na proposta de reforma da Previdência. Prevendo um duro debate - até o presidente Jair Bolsonaro se manifestou contra isso -, a equipe econômica tenta afiar o discurso que será adotado para defender a idade mínima igual.
Além da expectativa de vida, que é maior para mulheres, a área econômica reuniu dados salariais dos mais jovens para mostrar que a desigualdade de renda por gênero tem caído de forma acelerada nos últimos anos. Enquanto homens entre 50 e 59 anos ganham em média 41,7% a mais que as mulheres dessa idade, a diferença cai a 6,5% na faixa entre 15 e 19 anos. Os homens nessa idade ganham em média R$ 1.071,90 e as mulheres jovens recebem R$ 1.006,10, segundo dados de 2017.
No Congresso, a ideia é usar a base aliada do governo para tentar "rachar" a bancada feminina, que foi a principal resistência contra a medida na reforma proposta pelo ex-presidente Michel Temer. Com 43 das 77 deputadas eleitas para o primeiro mandato, a avaliação é de que é possível estabelecer um novo equilíbrio de forças dentro da bancada, em contraponto à posição da ex-coordenadora Soraya Santos (PR-RJ), que atuou para reduzir a idade mínima das mulheres.
Conta a favor o fato de que o PSL, de Bolsonaro, tem, sozinho, 10 deputadas. A coalizão pode ainda receber o reforço de outras parlamentares com perfil mais liberal. Algumas delas já estão buscando a equipe econômica para questionar justamente sobre esse ponto da proposta de reforma da Previdência.
De acordo com uma fonte da área econômica, a desigualdade no Brasil é menor que a existente nos EUA e equivalente à encontrada em países desenvolvidos como Dinamarca, Suécia, Noruega, Bélgica e Nova Zelândia. Como são os jovens que hoje têm entre 15 e 19 anos que vão se aposentar com a idade mínima implementada pela reforma, a equipe econômica se decidiu pelo mesmo patamar.
Para quem já está no mercado de trabalho e tem perspectiva de se aposentar por tempo de contribuição (hoje de 35 anos para homens e 30 para mulheres), as exigências da transição só convergem daqui a 20 anos, destacou a fonte. Ou seja, até lá, a mulher ainda se aposenta com menos exigências que o homem. Na aposentadoria por idade, o patamar exigido dos homens já é de 65 anos (desde que tenha pelo menos 15 anos de contribuição). A das mulheres, de 60 anos, subirá seis meses a cada ano até chegar aos 65. Ou seja, a convergência dura uma década.

Bancada feminina na Câmara dos Deputados se divide em relação ao apoio à mudança

Joice Hasselmann (PSL-SP) diz que é favorável à equiparação entre homens e mulheres

Joice Hasselmann (PSL-SP) diz que é favorável à equiparação entre homens e mulheres


/VALTER CAMPANATO/ABR/JC
Uma das expoentes da bancada do partido de Bolsonaro na Câmara, a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) afirmou que é favorável à idade mínima igual para homens e mulheres. "Daqui para frente, sim. A gente não vai mexer em direito adquirido de ninguém. Mas nós lutamos pelos mesmos direitos, também temos de ter os mesmos deveres", disse.
Na semana passada, ela inaugurou a batalha de comunicação do governo nessa frente ao discursar em plenário a favor da equiparação das idades mínimas. A deputada reconheceu que Bolsonaro "é bem duro" em relação à ideia, mas contou que a equipe econômica "está tentando fazer o convencimento".
Joice afirmou que o governo não se preocupa "com a patrulha da esquerda" sobre o tema. "A gente tem de trabalhar no convencimento dos nossos, é do centro para cá, do centro para a turma do PSL", disse.
Coordenadora da bancada feminina em 2017, quando teve papel central na negociação que dobrou as resistências do governo Temer em flexibilizar a idade para mulheres, a deputada Soraya Santos é a primeira mulher a ocupar a primeira secretaria da Mesa da Câmara, eleita numa disputa acirrada contra o deputado Fernando Giacobo (PR-PR).
"A importância de ter essa diferença de idade é porque muitas vezes a pessoa pensa que, pelo fato de a mulher viver mais que o homem, deveria ter a mesma idade na aposentadoria. Mas, isso ainda é uma simbologia muito forte, porque a mulher ainda tem dupla e tripla jornada. Se isso fosse computado, a diferença seria enorme.
A diferença (na idade) que a gente defende é pelo nível de responsabilidade e de jornada que a mulher tem", afirmou Soraya antes da votação que a elegeu para a Mesa. Ela evitou fazer comentários sobre a reforma dizendo não conhecer o conteúdo da proposta de Bolsonaro.
Contrária à equiparação, a deputada Erika Kokay (PT-DF) argumenta que as mulheres trabalham mais que os homens e enfrentam até tripla jornada. Para ela, há ainda grande desigualdade no mercado de trabalho, e a diferenciação nas idades de aposentadoria é uma das poucas políticas públicas existentes para combater esse problema. "O governo quer destruir uma das únicas políticas que se tem para enfrentar a desigualdade de gênero. É um retrocesso. As mulheres têm mais deveres do que os homens", afirmou.
Segundo Erika, há parlamentares homens que também votarão contra a equiparação das idades. A ideia é lançar uma Frente Parlamentar em defesa dos direitos das mulheres, disse a deputada petista.
Para atacar as desigualdades que ainda existem por conta da dupla jornada - muito relacionada à criação dos filhos -, o governo estuda um mecanismo para dar um "bônus" às mães. Segundo uma fonte que participa das discussões, a ideia é compensar a mulher que tem o valor do seu benefício prejudicado por conta da dupla jornada, que geralmente acaba fazendo com que ela trabalhe menos horas e com salário menor. Uma opção é injetar um valor adicional no benefício que ela vai receber na aposentadoria, mas há quem acredite que o presidente pode acabar optando por dar a redução da idade como bônus.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia