Porto Alegre, sábado, 01 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 01 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mineração

- Publicada em 23h40min, 06/02/2019.

Vale quer elevar produção a seco para 70%

O Corpo de Bombeiros confirmou na tarde de ontem 150 mortos e 182 desaparecidos em Brumadinho

O Corpo de Bombeiros confirmou na tarde de ontem 150 mortos e 182 desaparecidos em Brumadinho


/MAURO PIMENTEL/AFP/JC
A Vale anunciou que tem planos de aumentar a parcela de produção a seco para 70% em 2023, com a redução gradativa da utilização de barragens nas operações. O aumento da parcela de produção a seco da mineradora foi anunciado por meio de comunicado na noite de terça-feira, 12 dias após o rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, Minas Gerais.
A Vale anunciou que tem planos de aumentar a parcela de produção a seco para 70% em 2023, com a redução gradativa da utilização de barragens nas operações. O aumento da parcela de produção a seco da mineradora foi anunciado por meio de comunicado na noite de terça-feira, 12 dias após o rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, Minas Gerais.
Paralelamente ao aumento da produção a seco, a Vale informou que planeja investir aproximadamente R$ 1,5 bilhão (cerca de US$ 390 milhões) na implementação de tecnologia de disposição de rejeito a seco (dry stacking).
Em nota, a empresa disse que a iniciativa se agrega à aquisição da New Steel - que desenvolve tecnologias inovadoras de beneficiamento de minério de ferro a seco - em dezembro do ano passado, por US$ 500 milhões.
As informações indicam que os investimentos da mineradora brasileira em gestão de barragens atingirão R$ 256 milhões (cerca de US$ 70 milhões) agora em 2019, segundo orçamento aprovado no ano passado.
O volume representa crescimento de cerca de 180% em relação aos R$ 92 milhões (cerca de US$ 30 milhões) investidos em 2015.
"Os crescentes e relevantes investimentos em gestão de barragens e ações de saúde e segurança evidenciam o compromisso da Vale com a disponibilização dos recursos necessários para preservar a saúde e segurança de seus funcionários e das comunidades vizinhas", afirmou a empresa em nota.
Segundo a Vale, os investimentos em novas barragens, todas construídas pelo método convencional, refletem as necessidades operacionais da companhia e o cronograma de implantação de cada um dos projetos em execução.
Na tarde de ontem, o Corpo de Bombeiros informou que foram confirmados 150 mortos e 182 desaparecidos. O trabalho mantém um efetivo de 428 agentes nas operações nesta quarta-feira. As equipes de salvamento estão alocadas em 40 pontos ao longo do mar de rejeito que encobriu a cidade no dia 25 de janeiro. Os focos de busca estão nas áreas da portaria da Mina do Córrego do Feijão, do estacionamento, de uma área de britagem chamada ITM e da locomotiva.
Comentários CORRIGIR TEXTO