Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 04 de fevereiro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria Automotiva

27/01/2019 - 16h47min. Alterada em 04/02 às 10h37min

GM quer mudar acordo e não descarta fechar fábrica em Gravataí, diz sindicalista

Em 2017, funcionários comemoraram 3,5 milhões de carros produzidos, e agora vivem incerteza

Em 2017, funcionários comemoraram 3,5 milhões de carros produzidos, e agora vivem incerteza


GM/DIVULGAÇÃO/JC
Patrícia Comunello
"A reunião foi muito tensa", definiu o diretor de Assuntos Jurídicos do Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí (Sinmgra), Edson Dorneles, sobre a conversa entre 27 representantes sindicais dos mais de 2,6 mil empregados da fábrica da General Motors (GM) na cidade e executivos da companhia norte-americana da área de relações de trabalho.
O encontro ocorreu na manhã desse sábado (26), no complexo às margens da BR-290 (freeway). O número de empregos ultrapassa 6 mil postos com os empregados das fornecedoras da fábrica que ficam na mesma área do complexo, chamadas de sistemistas. O diretor jurídico diz que os porta-vozes da área de relações de trabalho e recursos humanos informaram que a montadora "não descarta fechar a planta se os empregados não aceitarem mais sacrifícios".
O dirigente sindical informou que os porta-vozes apresentaram uma pauta com 21 medidas que mexem em itens do acordo coletivo em vigor até este ano. O acordo de 2017 a 2019 inclui garantias salariais, participação nos lucros e resultados e jornada de 40 horas semanais. "As medidas mexem em nossas conquistas e reforçam o discurso da matriz americana que, sem lucratividade, vai fechar fábricas. A pressão é grande", resumiu Dorneles. 
Alegando que a operação precisa ser lucrativa ainda em 2019, Carlos Zarlenga, presidente da GM Mercosul e que esteve em Gravataí em 2017 para anunciar a terceira ampliação da unidade, reproduziu manifestação da presidente mundial, Mary Barra, dando sinais de que estaria considerando sair da América do Sul devido à queda em resultados. Desde que surgiu a ameaça da companhia de sair do País, o clima no interior da fábrica é de insegurança sobre o futuro. Muitos empregados duvidam que o fechamento seria possível e que o comunicado pode ser parte de uma estratégia para reduzir custos por meio de revisão de benefícios e direitos dos empregados, acertados em acordos coletivos.
Em encontro semelhante com sindicatos de trabalhadores em São Caetano do Sul, sede da GM no Brasil, a empresa entregou uma lista com 28 itens que tratam de piso salarial, participação nos lucros, fim do transporte fretado, adoção da jornada intermitente e fim da estabilidade de emprego para lesionados, entre outros.
Na manha desta segunda-feira (28), o sindicato diz que terá uma nova rodada de discussão com executivos da empresa em Gravataí. O diretor do sindicato adiantou que a disposição é de não aceitar retirar "conquistas obtidas com muitas lutas". "Não aceitamos a GM jogar a conta da sua crise pra cima dos trabalhadores", preveniu Dorneles.
A nova rodada de conversas será por videoconferência. De São Caetano do Sul, falarão Zarlenga e o vice-presidente da companhia Carlos Munhoz, uma das figuras mais conhecidas no Rio Grande do Sul por liderar as relações com o governo estadual e na interlocução nos períodos de anúncio de investimentos. Na fábrica em Gravataí, estarão integrantes do sindicato e o prefeito Marco Alba, informou a assessoria da prefeitura.
A planta gaúcha, que tem a maior capacidade de produção da marca no País, é uma das unidades mais eficientes no mundo. A unidade também está quase completando a ampliação. A planta foi inaugurada em 1999. Este ano estreará uma nova plataforma de veículos. O investimento é de R$ 1,5 bilhão e faz parte do ciclo atual de aportes no Brasil.
O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), aguarda resposta sobre pedido de reunião com a direção da montadora na sede em São Caetano do Sul, em São Paulo. A expectativa é de que o encontro ocorra nos próximos dias, informou a assessoria do Palácio Piratini. Leite vai buscar explicações sobre os motivos do comunicado e se há demandas para o Estado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia