Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 24 de janeiro de 2019.
Dia Nacional do Aposentado.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

24/01/2019 - 16h19min. Alterada em 24/01 às 16h19min

Bolsas da Europa fecham na maioria em alta

Estadão Conteúdo
As bolsas europeias fecharam na maioria com ganhos nesta quinta-feira, 24. O dia foi de recuperação após quedas recentes, mesmo diante de perspectivas menos otimistas expressas pelo Banco Central Europeu (BCE) em sua decisão de política monetária. Em Londres, porém, a jornada foi negativa.
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,22%, em 355,67 pontos.
O BCE manteve os juros e reafirmou que as taxas não mudarão pelo menos até o fim do verão europeu. Presidente da instituição, Mario Draghi disse em entrevista coletiva que os riscos à perspectiva de crescimento da zona do euro se moveram para o lado negativo desde a reunião anterior do BCE, em meio a incertezas como questões geopolíticas, protecionismo e dúvidas sobre alguns mercados emergentes, bem como sobre o processo de saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit.
Em meio às declarações do BCE, as bolsas europeias chegaram a perder fôlego, mas em geral se recuperaram antes do fechamento. Além disso, os sinais do banco central enfraqueceram o euro, o que tende a ajudar ações de exportadoras europeias. A perspectiva de um BCE mais favorável a estímulos também tende a ajudar os mercados acionários.
Entre os indicadores, o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) composto da zona do euro recuou a 50,7 em janeiro, na mínima em 66 meses, ante previsão de 51,5 dos analistas. Apenas na França, o PMI continuou a indicar contração da atividade no primeiro mês de 2019.
Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em baixa de 0,35%, em 6.818,95 pontos. Analistas apontam que as incertezas em relação ao Brexit pressionaram os negócios, bem como os riscos na disputa comercial entre EUA e China. Entre as ações em foco, Vodafone caiu 3,5%, após a divulgação de resultados modestos em sua unidade na África do Sul. Entre os bancos, Barclays caiu 0,12%. Já no setor de energia, a petroleira BP subiu 0,67% e a mineradora Glencore teve alta de 0,52%.
Em Frankfurt, o índice DAX teve ganho de 0,53%, a 11.130,18 pontos. Entre as ações mais negociadas, Deutsche Bank caiu 1,89%, mas Aroundtown avançou 0,33% e Commerzbank, 0,31%. No setor de energia, E.ON subiu 2,53%.
O índice CAC-40, da bolsa de Paris, registrou alta de 0,65%, a 4.871,96 pontos. Crédit Agricole subiu 0,24% e Société Générale avançou 0,56%, mas BNP Paribas caiu 0,47, entre os bancos franceses.
Na bolsa de Milão, o FTSE-MIB subiu 0,85%, a 19.564,48 pontos. Telecom Italia avançou 1,00%, Intesa Sanpaolo caiu 0,54% e Banco BPM recuou 1,69%, entre os papéis mais negociados. UniCredit subiu 0,78%.
Em Madri, o índice IBEX-35 avançou 0,23%, a 9.150,00 pontos. Santander caiu 0,45%, Banco de Sabadell recuou 1,99% e BBVA cedeu 0,42%, mas Abengoa B se destacou, em alta de 8,64%, e Urbas Grupo Financiero avançou 6,58%.
Na bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 teve alta de 0,31%, a 5.101,73 pontos. Banco Comercial Português caiu 0,21%, enquanto Galp Energia avançou 0,50%. (Com informações da Dow Jones Newswires)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia