Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 22 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Edição impressa de 23/01/2019. Alterada em 22/01 às 01h00min

Associação fecha 2018 com 7 mil registros da raça Holandesa

Tang trabalha com a expectativa de chegar a 10 mil registros em 2019

Tang trabalha com a expectativa de chegar a 10 mil registros em 2019


FREDY VIEIRA/ARQUIVO/JC
A Associação dos Criadores de Gado Holandês do Rio Grande do Sul (Gadolando) encerrou 2018 com cerca de 7 mil novos registros, número que mantém o Rio Grande do Sul entre os estados que mais registram no País, embora ainda esteja muito distante da meta pretendida. A entidade trabalha com o objetivo de ultrapassar os 10 mil registros em 2019, mas a ideia é alcançar 15 mil registros anuais.
O presidente da Gadolando, Marcos Tang, afirma que os produtores que mantêm os seus registros em dia percebem que estão alçando o seu rebanho a um nível superior, principalmente se efetuam também o controle leiteiro oficial e a classificação morfológica. O dirigente acredita que, com esses registros, será possível obter números e estatísticas confiáveis que permitam eventuais correções de rumo para o futuro da raça e, dessa forma, não depender de dados e trabalhos científicos realizados em outros países, nem sempre aplicáveis nas condições locais.
Tang destaca, ainda, que os produtores são mais bem indenizados em caso de algum problema sanitário. "O registro diferencia o animal, além de possibilitar o correto acasalamento", ressalta.
O site da Gadolando traz todas as informações sobre como proceder para fazer o registro genealógico, o controle leiteiro e a classificação linear. Entre os principais motivos para fazer o registro estão a garantia da perfeita identificação dos animais, controle de genealogia conforme o Ministério da Agricultura, pureza e seleção da raça, valorização comercial, além de possibilitar a participação em exposições e eventos oficiais, assim como a venda para outros estados sem conta de ICMS. Interessados devem entrar em contato com a Gadolando para agendar a visita de um técnico e obter mais esclarecimentos.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia