Porto Alegre, domingo, 02 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 02 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Varejo

- Publicada em 23h59min, 22/01/2019.

Movimento do comércio fecha 2018 com a segunda alta anual consecutiva

As vendas do varejo no País aceleraram o ritmo de crescimento em 2018 na comparação com 2017. De acordo com dados da Boa Vista, o movimento do comércio encerrou o ano passado com alta de 1,8%, depois de fechar 2017 com expansão de 1,5%. De acordo com a entidade, apesar do desempenho modesto registrado em 2018, o indicador continuou crescendo pelo segundo ano consecutivo.
As vendas do varejo no País aceleraram o ritmo de crescimento em 2018 na comparação com 2017. De acordo com dados da Boa Vista, o movimento do comércio encerrou o ano passado com alta de 1,8%, depois de fechar 2017 com expansão de 1,5%. De acordo com a entidade, apesar do desempenho modesto registrado em 2018, o indicador continuou crescendo pelo segundo ano consecutivo.
Em contrapartida, em relação a novembro, houve queda de 1,5% e elevação de 0,8% ante dezembro de 2017. Conforme a Boa Vista, o desemprego elevado e a retomada lenta da economia brasileira seguem limitando uma evolução mais robusta do comércio varejista. "Com poucos sinais de melhora no cenário econômico, espera-se que o varejo siga em um ritmo gradual de recuperação em 2019", conforme a nota.
Em dezembro, as vendas do varejo no segmento de móveis e eletrodomésticos apresentou queda de 3,4% em relação a novembro, enquanto, em 2018, a categoria cresceu 1,1%, após 2,2% em 2017. As vendas de tecidos, vestuários e calçados subiu 0,3% no último mês do ano passado, encerrando 2018 com recuo de 1,0%, depois do aumento de 1,2% em 2017. A atividade do setor de supermercados, alimentos e bebidas teve retração de 0,1% no confronto com novembro, fechando 2018 com alta de 2,7% em relação ao crescimento de 1,7% no ano anterior. 
 
Comentários CORRIGIR TEXTO