Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria automotiva

Edição impressa de 21/01/2019. Alterada em 28/01 às 11h32min

GM ameaça sair do País se não retomar lucro

Montadora, com fábrica em Gravataí, alega que momento exige sacrifício

Montadora, com fábrica em Gravataí, alega que momento exige sacrifício


CLAITON DORNELLES /JC
Em comunicado enviado aos funcionários por e-mail e também fixado no quadro de avisos das cinco fábricas do grupo no Brasil, o presidente da General Motors Mercosul, Carlos Zarlenga, informou na sexta-feira, 18, que "investimentos e o futuro" do grupo na região dependem da volta da lucratividade das operações ainda este ano. O aviso foi entendido pelos trabalhadores como uma ameaça de deixar o País.
No comunicado, Zarlenga reproduziu matéria publicada na semana passada pelo jornal Detroit News afirmando que, ao divulgar o balanço financeiro de 2018 aos acionistas, a presidente mundial da companhia, Mary Barra, deu sinais de que está considerando sair da América do Sul, onde mantém fábricas no Brasil e na Argentina.
"Não vamos continuar investindo para perder dinheiro", disse a executiva. Segundo ela, os maiores mercados sul-americanos continuam sendo desafiadores e "partes interessadas" na região trabalham com a empresa para tomar ações necessárias para melhorar o negócio "ou considerar outras opções".
Zarlenga afirmou que a GM teve prejuízo significativo de 2016 a 2018 e que "2019 será um ano decisivo para nossa história". Segundo ele, a empresa vive momento crítico "que vai exigir importantes sacrifícios de todos".
Um plano que foi apresentado à matriz requer apoio do governo, concessionários, empregados, sindicatos e fornecedores. "Do sucesso desse plano dependem os investimentos da GM e o nosso futuro", afirma o comunicado.
A GM é líder em vendas no mercado brasileiro há três anos e o modelo Onix, fabricado em Gravataí, é o carro mais vendido no País desde 2015 - em 2018, foram 210 mil Onix vendidos, o dobro do segundo colocado, o HB20 da Hyundai. Em agosto de 2017, a montadora anunciou investimento de R$ 1,4 bilhão na planta gaúcha, parte de um pacote de R$ 13 bilhões anunciado para todas as operações no Brasil. O objetivo é a criação de uma nova família de automóveis, que deve chegar às concessionárias em 2020. A fábrica, que é a de maior capacidade da GM na América do Sul, pode produzir 350 mil unidades por ano e possui ao seu redor quase duas dezenas de sistemistas.
Na semana passada, na divulgação do resultado financeiro para a imprensa americana, Mary Barra anunciou o lançamento de uma nova família global de veículos para serem produzidos e vendidos na China, México e América do Sul. Na ocasião, ela disse que a GM reduziu sua rentabilidade em 40% na América do Sul, mas ressaltou que "com a Chevrolet como líder de mercado, a companhia está bem posicionada para melhorar no atual ambiente macroeconômico".
O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos (SP) e região divulgou nota repudiando as declarações de Zarlenga. "Ressalte-se que a GM detém 20% do mercado brasileiro e não está em crise financeira", cita a nota. O sindicato se reúne na terça-feira com representantes da montadora para discutir o assunto.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
René 18/02/2019 10h04min
Pois é....João Lima, vc se esqueceu que somos terceiromundistas e dependemos desesperadamente e desgraçadamente do capital estrangeiro para gerar empregos e tocarmos nossas vidinhas...O povo sabe que é melhor estar empregado do que sem emprego. Vc ja pensou em quantas pessoas perderao seus empregos se a GM fechar as portas? Eles ja fizetam isso na epoca da GM Caminhoes (GMC).
João Lima 23/01/2019 16h10min
Palmas ao eleitorado do capitão. Bora terceirizar, trabalhar sob regime intermitente, negociar diretamente com o patrão. O cenário está montado para enriquecer quem já tem muito e empobrecer a classe trabalhadora. Mas já que é isso que o povo quer, bora trabalhar em condições precarizadas, enquanto os acionistas da GM vão ao delírio rs.
Adilson nelli 23/01/2019 15h30min
GM do Brasil não pode sair do Brasil nunca tem que trazer da Argentina também para o Brasil incrível só temos duas pickups nacionais restante é de importadas...
juliano Duarte da Silva 21/01/2019 11h26min
Eu trabalhei na GM, excelente empresa, porém estão chorando de barriga cheia, no RS ela é altamente lucrativa, ótimo para seus acionistas.
Dario R. Thomaz 21/01/2019 09h39min
Quem sabe, espera mais um pouco. Se o PT voltar a governar o Brasil, a coisa vai melhorar.