Porto Alegre, domingo, 02 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 02 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Agronegócios

- Publicada em 21h23min, 20/01/2019.

Máquinas agrícolas podem ficar sem financiamentos

Vendas de colheitadeiras, tratores e implementos cresceram 12,7% em 2018

Vendas de colheitadeiras, tratores e implementos cresceram 12,7% em 2018


JOHN DEERE/DIVULGAÇÃO/JC
Guilherme Daroit
Depois de quatro anos seguidos de queda, o setor de máquinas e implementos agrícolas finalmente viu suas vendas voltarem a crescer em 2018. Segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), a comercialização dos produtos chegou a 47,8 mil unidades em 2018, alta de 12,7% sobre as 42,4 mil unidades vendidas em 2017. A projeção para 2019 é de nova alta, na ordem de 10,9%. O problema, porém, é que os recursos para financiamento podem acabar antes do que o atual Plano Safra, praticamente inviabilizando as vendas por meses.
Depois de quatro anos seguidos de queda, o setor de máquinas e implementos agrícolas finalmente viu suas vendas voltarem a crescer em 2018. Segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), a comercialização dos produtos chegou a 47,8 mil unidades em 2018, alta de 12,7% sobre as 42,4 mil unidades vendidas em 2017. A projeção para 2019 é de nova alta, na ordem de 10,9%. O problema, porém, é que os recursos para financiamento podem acabar antes do que o atual Plano Safra, praticamente inviabilizando as vendas por meses.
A entidade mais ativa na questão tem sido a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), que alerta para o possível problema desde novembro do ano passado. "A indústria está vendo que, do jeito que está, estaremos sem recursos a partir de março", argumenta o presidente da Abimaq, João Carlos Marchesan. A preocupação reside no Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas e Implementos Associados e Colheitadeiras (Moderfrota), que precisaria de um reforço de mais R$ 3 bilhões para atender a toda a demanda, segundo Marchesan.
O Moderfrota é uma linha de crédito para a compra de tratores, colheitadeiras, plantadeiras e pulverizadores, entre outras máquinas, com juros subsidiados pelo governo federal. Neste Plano Safra, os juros foram estipulados em 7,5% a.a. e 9,5% a.a., dependendo do faturamento do agricultor, com prazo para pagamento de sete anos para itens novos e quatro anos para usados.
Apenas no primeiro semestre deste ano-safra, os agricultores brasileiros já consumiram 59,2% do total de recursos disponibilizados pelo governo federal para o Moderfrota. Entre julho e dezembro, foram utilizados R$ 5,27 bilhões dos R$ 8,9 bilhões liberados para todo o ciclo, segundo a União. Nesse ritmo, o financiamento não chegará até o fim do junho, quando se encerra o ano-safra.
"Os recursos vão acabar, provavelmente, na Expodireto", projeta o dirigente, referindo-se à feira que acontece em Não-Me-Toque entre 11 e 15 de março. A maior feira do País, a Agrishow, que acontece em Ribeirão Preto (SP) em maio, pode ocorrer sem financiamento disponível pelo programa, caso a projeção se confirme.
O resultado, por um lado, exemplifica o aquecimento do setor. No mesmo período de 2017, por exemplo, apenas R$ 3,5 bilhões haviam sido utilizados pelos produtores dentro do mesmo programa. "Houve uma demanda muito forte, o que é um bom sinal. Pior seria se tivesse dinheiro sobrando e não estivéssemos vendendo", comenta Marchesan. Por outro lado, porém, significa um risco de, pelo menos, três meses com o pé no freio, caso nada seja feito até lá. As entidades que representam o setor buscam algum tipo de suplementação de recursos junto à União, mas, por enquanto, não há sinalização de atitudes.
O presidente do Sindicato da Indústria de Máquinas e Implementos Agrícolas no Rio Grande do Sul (Simers), Claudio Bier, argumenta que o ano começou esperançoso, "mas o governo não pode atrapalhar". "O setor não vai parar, mas vai dar uma recuada. Compromete o ano", acrescenta Bier sobre o potencial impacto do fim dos recursos.
Marchesan é ainda mais enfático, classificando o cenário como um "caos" para as indústrias. "Todas aumentaram a produção, contrataram, captaram capital de giro. Sem financiamento, ninguém vai investir em renovação de máquinas", afirma o presidente da Abimaq, que vê nesse, atualmente, o único problema do setor. Com três meses sem financiamentos, o setor levaria mais, pelo menos, outros seis meses para normalizar as vendas, estima Marchesan, basicamente comprometendo todo o ano de 2019. "Recurso existe. São as decisões políticas que limitam os recursos", sustenta o dirigente.
Comentários CORRIGIR TEXTO