Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 14 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

14/01/2019 - 11h19min. Alterada em 14/01 às 11h19min

Após queda, Ibovespa passa a subir com apoio de ações do setor financeiro

Estadão Conteúdo
O Ibovespa abriu em leve queda nesta segunda-feira (14), de mau humor global com a fraqueza da balança comercial na China e a renovada preocupação sobre o Brexit. Cerca de meia hora depois, entretanto, passou a exibir sinal positivo e foi à máxima aos 94.145 pontos (+0,52%). A virada foi conduzida pela valorização das ações do Banco do Brasil e também do Bradesco, que confirmou nesta segunda mudanças na alta cúpula e redução no número de vice-presidências.
A maioria das blue chips, entretanto, está em queda, inclusive a Petrobras que foi favorecida por decisão do presidente do STF, Dias Toffoli, nesse sábado (12). 
Às 11h15min, o Ibovespa subia 0,25% aos 93.893 pontos. 
Pela determinação, voltou a entrar em vigor o decreto 9.355 de 2018, que permite que a estatal venda, por exemplo, blocos de petróleo para outras empresas sem necessidade de fazer licitação. Os contratos futuros do petróleo estão em queda em Londres e Nova Iorque. 
No noticiário interno, o investidor segue atento a novidades sobre a futura reforma da Previdência do governo Bolsonaro.
O mercado ainda tem dúvidas e ressente-se dos ruídos sobre a proposta entre o presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o ministro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.
"Pelos 'vazamentos' até agora, parece que vai ser algo bem robusto", diz o economista de um grande banco estrangeiro ao colunista Fábio Alves.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia