Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 04 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

Edição impressa de 04/01/2019. Alterada em 04/01 às 01h00min

Governo vai revisar conselhos e imóveis

O presidente Jair Bolsonaro reuniu sua equipe ministerial na manhã desta quinta-feira para afinar o discurso e definir medidas gerais que serão adotadas pelas 22 pastas do novo governo federal. Após cerca de quatro horas de discussão, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse que o governo vai fazer uma varredura em todos os conselhos vinculados à administração federal e nos imóveis próprios e alugados pela União.

Levantamento preliminar indica que o governo federal tem cerca de 700 mil imóveis em todo o País, além de prédios alugados. A ideia é juntar os órgãos federais para reduzir custos de manutenção.

Para Onyx, é um "contrassenso absoluto" a União ter 700 mil imóveis e ainda alugar prédios. "Cada ministro deverá fazer um levantamento de todos os imóveis existentes, principalmente nos estados e nas capitais, com o objetivo de racionalização do uso dessas estruturas", afirmou.

O governo federal deverá criar em cada capital uma "Casa Brasil" para reunir as representações da administração federal nos estados. "O objetivo é racionalizar e depois permitir a venda desses imóveis. As primeiras informações são gigantescas. A União tem próximo de 700 mil imóveis. Vocês imaginam o que isso significa em termos de custo para manutenção", argumentou.

A composição e o papel de todos os conselhos serão revisados para evitar sobreposição de funções. Criado no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), por exemplo, já foi extinto por medida provisória.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia