Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 03 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Transmissão

Edição impressa de 03/01/2019. Alterada em 03/01 às 01h00min

Cintra vê alternativas para imposto único

O secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, afirmou que há uma série de alternativas para a criação do imposto único. Ele disse preferir a tributação sobre as movimentações financeiras, mas afirmou que é possível também criar um imposto sobre valor agregado (IVA) ou sobre o faturamento de empresas. "Ainda analisamos alternativas", afirmou após a cerimônia de transmissão de cargo para o ministro da Economia.

Antes do envio da proposta de reforma, porém, Cintra afirmou que haverá medidas de simplificação que serão enviadas pelo novo governo. Ele lembrou que a Receita já tem um projeto de simplificação de PIS/Cofins que pode ser aproveitado. "Unificação de tributos é processo que deve ocorrer paralelamente", afirmou. Cintra defendeu que o sistema tributário brasileiro tenha progressividade e que "é fundamental ter sistema de baixa tributação e ampla base".

No Imposto de Renda, Cintra admitiu a possibilidade de uma alíquota única, mas reconheceu que é preciso ter progressividade. "Não iremos ao extremo de ter apenas uma alíquota, mas poucas alíquotas acho que são absolutamente adequadas. E uma alíquota adicional para altas rendas. Não dá pra estabelecermos números", disse.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia