Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 03 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

consumo

Edição impressa de 03/01/2019. Alterada em 03/01 às 01h00min

Inflação pelo IPC-S encerrou 2018 com avanço de 4,32%, segundo a FGV

Preço da gasolina contribuiu para o acréscimo do grupo transporte

Preço da gasolina contribuiu para o acréscimo do grupo transporte


/CLAITON DORNELLES/JC
A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) fechou a última semana do ano (de 23 a 31 de dezembro) com alta de 0,29%, resultado 0,19 ponto percentual superior ao da semana de 16 a 22 de dezembro. Com o resultado, o IPC-S encerrou o ano de 2018 com alta acumulada de 4,32%.
Os dados foram divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) e refletem alta de preços em cinco das oito classes de despesas.
Segundo a FGV, a maior contribuição partiu do grupo habitação, que saiu de uma deflação (inflação negativa) de 0,13% para uma alta de 0,20% - uma variação positiva de preços de 0,33 ponto percentual.
Nessa classe de despesa, destaca-se o comportamento do item tarifa de eletricidade residencial, cuja taxa passou de -2,37% para -1,27%.
De acordo com a FGV, também registraram acréscimo em suas taxas de variação os grupos transportes (de -0,92% para -0,63%), alimentação (de 0,60% para 0,74%), saúde e cuidados pessoais (de 0,29% para 0,44%) e vestuário (de 0,24% para 0,69%).
Nessas classes de despesa, destaca-se o comportamento dos itens gasolina (de -5,14% para -4,30%), artigos de higiene e cuidado pessoal (de -0,04% para 0,60%), laticínios (de -2,38% para -2,11%) e roupas (de 0,31% para 0,99%).
Em contrapartida, os grupos educação, leitura e recreação (de 0,98% para 0,83%), despesas diversas (de 0,19% para 0,13%) e comunicação (de 0,05% para -0,01%) apresentaram recuo nas taxas de variação.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia