Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 28 de dezembro de 2018.
Dia do Petroquímico. Dia do Salva-Vidas.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Edição impressa de 28/12/2018. Alterada em 28/12 às 01h00min

Consumo de energia elétrica sobe 1,3% em novembro

Classe residencial registrou elevação de 1,5% no mês passado

Classe residencial registrou elevação de 1,5% no mês passado


/JOÃO MATTOS/ARQUIVO/JC
O consumo mensal de energia elétrica subiu 1,3% em novembro deste ano contra igual mês do ano anterior, para 40.318 gigawatts-hora (GWh), segundo a Resenha Mensal divulgada pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE). O setor industrial teve alta de 1,1%, refletindo alta de consumo em seis dos 10 ramos pesquisados. O consumo de eletricidade no setor químico teve alta de 3,8%; no de papel e celulose, de 3,5%; e no automotivo, de 3,2%, informou a EPE.
Na contramão, reduziram o consumo de eletricidade os setores metalúrgico (-1,9%); têxtil (-1,2%); borracha e material plástico (-1,7%); entre outros. "O consumo de energia elétrica das indústrias iniciou uma trajetória de queda no último trimestre de 2018, acompanhando a produção física industrial. A ociosidade do parque produtivo continuou elevada em novembro, em torno de 25% (segundo a FGV), mantendo-se praticamente no mesmo nível de novembro de 2017, o que aparenta indiciar que a indústria permaneceu estagnada em 2018 em termos de utilização da sua capacidade instalada", explicou a EPE em sua Resenha Mensal de novembro.
A classe residencial teve aumento de 1,5% no consumo de energia elétrica em novembro, o mesmo índice obtido na classe comercial. As regiões Nordeste e Sul puxaram o consumo dos dois segmentos, sendo que a Região Norte também se destacou na alta do setor comercial.
A Região Norte foi a única que reduziu o consumo em novembro (-8,1%), puxada pela queda da indústria local (-19,5%), que, por sua vez, foi impactada pelo recuo da demanda da metalurgia local. Já o Nordeste teve alta de 5,5% no consumo de eletricidade; e o Sul, de 3,1%. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia