Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 26 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

Edição impressa de 26/12/2018. Alterada em 25/12 às 21h46min

Raquel Dodge contesta a reforma trabalhista

Procuradora defende IPCA-E para correções em processos trabalhistas

Procuradora defende IPCA-E para correções em processos trabalhistas


/EVARISTO SA/AFP/JC
A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, emitiu pareceres em série contra a reforma trabalhista. As manifestações foram apresentadas ao Supremo Tribunal Federal (STF) dias antes do início do recesso do Judiciário. Parte das ações aguardava pela opinião da Procuradoria-Geral da República (PGR) para a corte dar prosseguimento à análise dos casos. Na quarta-feira passada, quatro posicionamentos de Dodge entraram no sistema do STF.
Todos eles são contrários, total ou parcialmente, a novas regras da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), em vigor desde 11 de novembro de 2017. As mudanças foram aprovadas pelo Congresso e implementadas pelo governo Michel Temer (MDB). As manifestações de Dodge se dão às vésperas do início do mandato do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). Ele propõe maior flexibilização das leis trabalhistas.
Em todas as ações, a Câmara dos Deputados diz que seguiu a tramitação legal. Senado Federal, Advocacia-Geral da União (AGU) e presidência da República defendem a constitucionalidade da lei. Dodge, porém, rejeita a correção de dívidas trabalhistas pela TR (Taxa Referencial) e a de depósitos judiciais pela poupança. São dois pareceres. O tema é discutido em uma ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) e uma ADC (Ação Declaratória de Constitucionalidade). Para Dodge, a correção pela TR é uma violação do direito de propriedade.
"A inovação trazida pela Lei nº 13.467 (reforma trabalhista), com adoção do índice da caderneta de poupança para a atualização monetária, foi positivada com ofensa aos esteios constitucionais, sendo imperiosa a utilização de outro índice", diz a procuradora-geral. Ela ainda lembra que decisões do STF sobre correção monetária em condenações impostas ao poder público exigem a reposição da inflação. Dodge sugere que a Justiça do Trabalho adote o IPCA-E (Índice de Preços ao Consumidor Amplo-Especial), do IBGE.
Hoje, parte dos juízes já usa esse índice, cuja divulgação, ao contrário do IPCA - a inflação oficial do País -, é trimestral. O IPCA é mensal. A procuradora-geral também é contra a fixação de indenização por dano moral atrelada ao salário. A nova CLT prevê uma escala de ofensas que vão de natureza leve a gravíssima. O juiz pode conceder uma indenização que varia de três vezes o salário do empregado a 50 vezes a sua remuneração. Antes da reforma, cabia ao juiz estabelecer o valor.
Para Dodge, as novas regras são discriminatórias e afetam o direito da personalidade. "Ao utilizar esse parâmetro, a norma valora a reparação do dano moral sofrido pelo trabalhador conforme a posição salarial por ele alcançada no mercado de trabalho, submetendo a dignidade humana - objeto da tutela - à estratificação monetária por status profissional", afirma.
Outro ponto atacado é o trabalho de gestante ou lactante em local insalubre. Pela reforma, o afastamento se dará após apresentação de atestado médico com essa recomendação. "A (suposta) proteção - ou melhor, desproteção - que se encerra não atende à urgência reclamada pela situação de vulnerabilidade da trabalhadora gestante ou lactante, nem condiz com a relevância dos bens jurídicos em questão (vida, saúde, maternidade, infância e trabalho digno e seguro)", afirma Dodge. Para ela, a regra significa "retrocesso social".
Em outra ação, no fim de outubro, Dodge se manifesta sobre um dispositivo da nova lei que obriga a definição do valor da causa (quanto o trabalhador quer receber) já na petição inicial. Ela propõe uma interpretação à lei que tire seu caráter compulsório.
Para o advogado Jorge Pinheiro Castelo, do escritório Palermo e Castelo, os pareceres adequam regras da reforma justamente para que possam ter aplicação e trazer segurança jurídica. "A reforma, em alguns pontos, saiu da curva", afirma Castelo. O presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Guilherme Feliciano, destaca os aspectos jurídicos das manifestações da PGR. "A crítica (da Anamatra, autora de ADIs) era técnica, e isso, agora, se revela pela caneta da PGR, que, a partir de uma análise equidistante e ponderada, aponta vários dos vícios de inconstitucionalidade da reforma", diz Feliciano.
Em sua análise de pontos da reforma, Dodge apoiou o fim do imposto sindical obrigatório. Ela deu aval ao trabalho intermitente - sem carga horária predefinida -, cujo julgamento foi suspenso e será retomado no dia 12 de junho de 2019. Não há previsão para a análise dos outros casos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia