Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 20 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

contas públicas

Edição impressa de 20/12/2018. Alterada em 20/12 às 01h00min

Comissão barra indicação política em estatais

Anastasia é relator do projeto que busca evitar influências políticas

Anastasia é relator do projeto que busca evitar influências políticas


/Marcelo Camargo/Agência Brasil/JC
A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado derrubou ontem emendas a um projeto feita pela Câmara na tentativa de liberar indicações políticas em estatais. O texto segue para a análise de outra comissão antes de ser enviado ao plenário do Senado. Se for aprovado, segue para a sanção presidencial.
O projeto é uma espécie de marco legal das agências reguladoras e tem como um dos objetivos blindar esses órgãos de influências políticas.
Quando passou pela Câmara, porém, foram incluídas emendas para alterar a Lei das Estatais, sancionada em 2016 com o objetivo de barrar essas interferências partidárias.
O texto sobre as agências reguladoras, aprovado pelos deputados em novembro, revogava artigos da Lei das Estatais que vedam a indicação de pessoas que atuaram em partidos políticos nos três anos anteriores. Essa proibição foi retomada pela CCJ.
No colegiado, também foi mantida a vedação das indicações de ministros, secretários de Estado, bem como parentes de até terceiro grau dessas autoridades e membros de sindicatos.
A comissão também manteve a exigência de 10 anos de experiência profissional para as indicações aos cargos de gestão de agências reguladoras, o mesmo tempo exigido para as estatais. A Câmara havia reduzido esse prazo para cinco anos.
"A Lei das Estatais foi uma decisão de 2016, tomada pelo Senado, transformada em lei. Nós não vemos, neste momento, motivo para alteração desse dispositivo", afirmou o relator da matéria, senador Antonio Anastasia (PSDB-MG).
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia