Porto Alegre, sexta-feira, 13 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

14/12/2018 - 08h03min. Alterada em 14/12 às 08h02min

Bolsas asiáticas fecham em baixa generalizada, após decepção com dados chineses

As bolsas asiáticas fecharam em forte baixa generalizada nesta sexta-feira (14), na esteira de indicadores chineses decepcionantes que voltaram a alimentar preocupações sobre a desaceleração da segunda maior economia do mundo. A queda na região se seguiu a dois pregões de valorização robusta, motivada por sinais de avanços nas negociações comerciais entre Estados Unidos e China.
As bolsas asiáticas fecharam em forte baixa generalizada nesta sexta-feira (14), na esteira de indicadores chineses decepcionantes que voltaram a alimentar preocupações sobre a desaceleração da segunda maior economia do mundo. A queda na região se seguiu a dois pregões de valorização robusta, motivada por sinais de avanços nas negociações comerciais entre Estados Unidos e China.
Números da indústria e varejo da China, publicados durante a madrugada, não apenas mostraram crescimento mais fraco como vieram aquém das expectativas. A produção industrial subiu 5,4% na comparação anual de novembro, mas o resultado ficou bem abaixo do ganho de 5,9% visto em outubro e da previsão de analistas, que também era de alta de 5,9%. No setor varejista, as vendas tiveram expansão anual de 8,1% em novembro, depois de aumentarem 8,6% em outubro. Neste caso, a projeção de economistas era de acréscimo de 8,8%.
Por outro lado, os investimentos chineses em ativos fixos de áreas não rurais registraram avanço de 5,9% entre janeiro e novembro ante igual período do ano passado, superando o ganho de 5,7% visto no acumulado até outubro e a alta de 5,8% prevista por analistas.
Principal índice acionário da China, o índice Xangai Composto terminou o dia em baixa de 1,53%, a 2.593,74 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto recuou 2,46%, a 1.327,42 pontos. Como resultado, ambos apagaram os ganhos que vinham acumulando na semana.
Em Tóquio, o Nikkei caiu 2,02%, a 21.374,83 pontos, pressionado por ações de tecnologia e telecomunicações. Na semana, o índice japonês teve perdas de 1,4%. No fim da noite de ontem, o Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) anunciou que irá comprar menos títulos com vencimentos de cinco a dez anos, o que indica leve redução da ampla liquidez pelo banco central do país.
Em outras partes da Ásia, o Hang Seng recuou 1,62% em Hong Kong, a 26.094,79 pontos, enquanto o sul-coreano Kospi teve queda de 1,25% em Seul, a 2.069,38 pontos, puxado para baixo por fabricantes de chips, e o Taiex cedeu 0,86% em Taiwan, a 9.774,16 pontos.
Na Oceania, a bolsa australiana foi prejudicada pelo fraco desempenho de grandes bancos domésticos e petrolíferas. O índice S&P/ASX 200 caiu 1,05% em Sydney, a 5.602,00 pontos.