Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria Calçadista

13/12/2018 - 16h49min. Alterada em 13/12 às 16h49min

Calçadistas pedem ao governo que abertura comercial seja gradual

Abicalçados afirma que redução das tarifas de importação deve ser junto com menor Custo Brasil

Abicalçados afirma que redução das tarifas de importação deve ser junto com menor Custo Brasil


ANDRÉ FELTES/DIVULGAÇÃO/JC
Estadão Conteúdo
Fabricantes de calçados elaboraram pleitos ao próximo governo entre os quais um pedido para que a abertura comercial ocorra de forma gradual e que se evite "concorrência predatória". O documento da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) foi encaminhado ao senador eleito Luís Carlos Heinze (PP).
A Abicalçados afirma que a redução ou eliminação das tarifas de importação "deve ocorrer de forma sincronizada com a diminuição do Custo Brasil". A entidade considera que essa seria a forma de dar melhores condições de competitividade para a indústria nacional. "Não somos contra o livre o mercado, mas é preciso ter equidade para a concorrência legal e não predatória", justifica em nota o presidente-executivo da Abicalçados, Heitor Klein.
Nos dez anos entre 2007 e 2017, segundo a Abicalçados, as exportações de calçados saíram de US$ 1,7 bilhão para US$ 1 bilhão, patamar semelhante ao da década de 1990. No mesmo período, o número de empresas na atividade caiu de 8 mil para 7 mil.
A agenda de abertura comercial tem sido um ponto de atenção no setor calçadista. Executivos consideram que ainda é cedo para chegar a conclusões, mas especulam que pode haver aumento em importações e prejuízo para algumas fabricantes de menor eficiência.
"Não é novidade que a indústria de manufatura nacional, em especial a mais intensiva em mão de obra, passa por grandes dificuldades competitivas", diz a nota da Abicalçados.
Ainda sobre o comércio exterior, a entidade pede o restabelecimento do Reintegra nas alíquotas originais do programa, que ao ser implementado em 2012 previa alíquotas de 3% a 5%. Em junho de 2018 houve a redução da alíquota de restituição do programa, de 2% para 0,1%. "A medida do governo prejudicou, e muito, os calçadistas que já haviam fechado seus valores para exportação", avalia Klein.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia