Porto Alegre, sexta-feira, 13 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Relações Internacionais

Notícia da edição impressa de 13/12/2018. Alterada em 13/12 às 01h00min

Merkel vê dificuldade em acordo entre UE e Mercosul

Tempo para alcançar solução está se esgotando, disse Angela Merkel

Tempo para alcançar solução está se esgotando, disse Angela Merkel


/RALF HIRSCHBERGER/AFP/JC
A chanceler alemã Angela Merkel disse ontem que o tempo está se esgotando para alcançar um acordo comercial entre a União Europeia (UE) e o Mercosul. Para ela, o governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro, pode não facilitar as negociações.
A chanceler alemã Angela Merkel disse ontem que o tempo está se esgotando para alcançar um acordo comercial entre a União Europeia (UE) e o Mercosul. Para ela, o governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro, pode não facilitar as negociações.
A reação da chanceler foi em resposta a uma pergunta de um deputado durante uma sessão do Bundestag (Parlamento alemão). "O tempo para um acordo entre a UE e Mercosul está se esgotando. O acordo deve acontecer muito rapidamente, pois, do contrário, não será tão fácil alcançá-lo com o novo governo do Brasil", disse Merkel.
A equipe do futuro governo manifestou em algumas ocasiões que prefere negociações bilaterais, em vez de uma negociação que envolva blocos, como o Mercosul. Em novembro, Bolsonaro disse estar aberto a negociar. "Não é um 'não' em definitivo, nós vamos é negociar", disse o presidente eleito.
Durante a Cúpula dos Líderes do G20, em Buenos Aires, o presidente da França, Emmanuel Macron, condicionou os avanços do acordo UE-Mercosul à permanência do Brasil no Acordo Climático de Paris. A chanceler alemã disse ainda que enxerga com certa preocupação a decisão do Brasil de não querer sediar a próxima Conferência do Clima.
Há mais de duas décadas as negociações entre a UE e o Mercosul se arrastam. Há divergências envolvendo a indústria automobilística dos dois países e a circulação de produtos como carne bovina.
Contrapondo o discurso da chanceler alemã, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, disse nesta quarta que o Mercosul está pronto para fechar um acordo comercial com a UE, que só não foi acertado ainda porque os europeus não querem concordar.