Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 06 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 06/12 às 21h00min

Cautela faz dólar recuar ante iene, mas subir frente a divisas emergentes

Estadão Conteúdo
A cautela que dominou os mercados internacionais nesta quinta-feira, 6, levou a uma queda do dólar ante o iene, mas também fez a moeda americana avançar em relação à maioria das divisas de países emergentes e ligados a commodities. Além disso, alguns indicadores modestos dos Estados Unidos levaram o dólar a recuar ante o euro.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar caía a 112,75 ienes, o euro avançava a US$ 1,1377 e a libra tinha alta para US$ 1,2779.
A prisão de uma executiva da gigante chinesa Huawei lançou nova onda de cautela sobre as negociações comerciais entre EUA e China. A detenção ocorreu no Canadá, mas a pedido de autoridades americanas, que suspeitam que a companhia chinesa tenha burlado sanções dos EUA contra o Irã. A notícia poderia ser um revés para o diálogo, após as partes fecharem uma trégua de 90 dias na disputa comercial enquanto negociam.
Além disso, o petróleo teve queda acentuada, diante das dúvidas sobre o corte que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados podem decidir fazer nesta semana na produção para controlar o mercado da commodity.
Nos EUA, o dado de criação de vagas no setor privado da ADP frustrou a expectativa, enquanto a balança comercial mostrou o maior déficit em dez anos, o que levou o dólar a perder mais força em relação ao euro e o iene.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia