Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 07 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Imobiliário

Edição impressa de 07/12/2018. Alterada em 07/12 às 01h00min

Preço de imóveis residenciais cai 0,12% na Capital

No acumulado do ano, queda chega a 1,23%  em Porto Alegre

No acumulado do ano, queda chega a 1,23% em Porto Alegre


CLAITON DORNELLES /JC
O preço médio de venda de imóveis residenciais em Porto Alegre caiu 0,12% no mês de novembro e apresenta variação negativa de 1,23% no acumulado de 2018, de acordo com pesquisa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) feita com base em anúncios no site Zap Imóveis. No País, o índice subiu 0,06% no mês passado, mas tem queda acumulada de 0,32% desde o início do ano.
O preço médio do metro quadrado na capital gaúcha é de R$ 5.587,00, 12º maior entre as 20 cidades pesquisadas. O bairro com os imóveis mais caros é o Três Figueiras, onde o custo é de R$ 9.942,00 por metro quadrado. Na sequência, estão o Pedra Redonda (R$ 9.440,00), Bela Vista (R$ 8.211,00), Moinhos de Vento (R$ 8.032,00) e Mont'Serrat (R$ 7.320,00).
Os bairros com preço médio mais barato são a Restinga (R$ 2.674,00 por metro quadrado), o Rubem Berta (R$ 3.240,00) e a Lomba do Pinheiro (R$ 3.241,00). Entre as demais capitais analisadas, o comportamento dos preços não foi homogêneo. Das 20 cidades monitoradas, 14 registraram alta nos preços e seis apresentaram baixa. As variações mais expressivas foram em Curitiba ( 1,72%), Florianópolis ( 0,65%) e Contagem ( 0,53%).
No balanço parcial de 2018, o preço de venda residencial recuou 0,32% em termos nominais, que corresponde a queda real de 3,94%, considerando a inflação acumulada no período, de 3,76%.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia