Porto Alegre, sexta-feira, 13 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

05/12/2018 - 07h51min. Alterada em 05/12 às 07h51min

Bolsas asiáticas fecham em baixa, após tombo em Nova Iorque e com temores comerciais

As bolsas asiáticas fecharam em baixa generalizada nesta quarta-feira (5), na esteira do tombo visto na segunda-feira nos mercados americanos, em meio a preocupações sobre uma possível desaceleração econômica e incertezas quanto ao sucesso das discussões comerciais entre Estados Unidos e China.
As bolsas asiáticas fecharam em baixa generalizada nesta quarta-feira (5), na esteira do tombo visto na segunda-feira nos mercados americanos, em meio a preocupações sobre uma possível desaceleração econômica e incertezas quanto ao sucesso das discussões comerciais entre Estados Unidos e China.
Dúvidas sobre a trégua comercial de 90 dias acertada no fim de semana pelos presidentes Donald Trump e Xi Jinping pesaram nos principais índices acionários de Nova Iorque, que ontem sofreram perdas de mais de 3% a quase 4%. Hoje, os mercados dos EUA não irão operar em razão de um luto oficial pela morte do ex-presidente George H. W. Bush.
Ainda não se sabe ao certo se o cessar-fogo sino-americano começou de fato ou não, e mensagens conflitantes da Casa Branca, de Trump e de Pequim têm levado investidores a ser mais cautelosos nos últimos dois dias.
Nesta madrugada, porém, o Ministério de Comércio da China afirmou em comunicado que o encontro de Trump e Xi, no último sábado (1º), foi bem-sucedido e que os dois países seguirão adiante com negociações durante 90 dias. Até então, o período do diálogo não havia sido mencionado ainda pelo lado chinês.
No Twitter, Trump afirmou ontem à noite acreditar que Washington fechará um acordo comercial com a China, seja "agora ou no futuro".
"Ou teremos um acordo de verdade com a China ou não teremos acordo algum - quando cobraremos pesadas tarifas contra produtos chineses embarcados para os Estados Unidos", disse Trump, acrescentando que a China não quer ficar sujeita a tarifas.
Principal índice acionário chinês, o Xangai Composto caiu 0,61% hoje, a 2.649,81 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto, formado em boa parte por startups, recuou 0,48%, a 1.380,78 pontos.
Em outras partes da Ásia, o japonês Nikkei teve baixa de 0,53%, a 21.919,33 pontos, apagando parte das perdas de mais cedo diante do enfraquecimento do iene ante o dólar, enquanto o Hang Seng caiu 1,62% em Hong Kong, a 26.819,68 pontos, o sul-coreano Kospi cedeu 0,62% em Seul, a 2.101,31 pontos, e o Taiex registrou queda de 1,65% em Taiwan, a 9.916,74.
Na Oceania, a bolsa australiana também ficou no vermelho, mas bem acima das mínimas do dia. O S&P/ASX 200 caiu 0,78% em Sydney, a 5.668,40 pontos.
Os últimos dados do Produto Interno Bruto (PIB) da Austrália, divulgados no fim da noite de ontem, vieram bem aquém das expectativas. A economia australiana cresceu 0,3% no terceiro trimestre de 2018 ante o segundo e teve expansão anual de 2,8% no período. Analistas previam ganho trimestral de 0,6% e acréscimo anual de 3,3%.