Porto Alegre, sexta-feira, 13 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Indústria

Notícia da edição impressa de 05/12/2018. Alterada em 05/12 às 01h00min

Presidente da Usiminas recebe troféu Homem de Aço

Sérgio Leite de Andrade foi homenageado pela AARS ontem

Sérgio Leite de Andrade foi homenageado pela AARS ontem


/USIMINAS/DIVULGAÇÃO/JC
No comando da Usiminas há dois anos, mas com 40 anos de trabalho na companhia em 13 diferentes funções, Sérgio Leite de Andrade foi o profissional destacado em 2018 pela Associação do Aço do Rio Grande do Sul (AARS). Ontem, na Capital, o executivo recebeu o troféu Homem de Aço. No Estado, a empresa conta com a Usiminas Soluções, originada na compra da Zamprogna, há cerca de dez anos.
No comando da Usiminas há dois anos, mas com 40 anos de trabalho na companhia em 13 diferentes funções, Sérgio Leite de Andrade foi o profissional destacado em 2018 pela Associação do Aço do Rio Grande do Sul (AARS). Ontem, na Capital, o executivo recebeu o troféu Homem de Aço. No Estado, a empresa conta com a Usiminas Soluções, originada na compra da Zamprogna, há cerca de dez anos.
"O Rio Grande do Sul é um importante mercado para nós, especialmente pelo polo metal-mecânico, como de Caxias do Sul, pela fabricação de autopeças e por toda a demanda gerada por maquinário para o agronegócio", explica o diretor-presidente da companhia.
Com foco basicamente no mercado interno, para onde destina 80% de sua produção, a Usiminas alcançou no terceiro trimestre deste ano seu melhor resultado em oito anos, de acordo com o executivo. O que ajuda a justificar o otimismo de Andrade sobre o futuro dos negócios e da economia do país. "Para 2019, acredito em um crescimento de até 3,5% no PIB brasileiro. E 5% ou mais em 2020. Temos capacidade ociosa na indústria, algo entre 30% e 40%, então podemos expandir sem necessidade de muitos investimentos", explica Andrade, engenheiro metalúrgico pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e mestre pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).