Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 05 de dezembro de 2018.
Dia Internacional dos Voluntários.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Comércio Exterior

Edição impressa de 05/12/2018. Alterada em 05/12 às 01h00min

Negociações com China podem durar mais de 90 dias, diz Trump

O presidente dos EUA, Donald Trump, informou por meio de sua conta no Twitter que as negociações comerciais com a China já estão em andamento e sinalizou que elas poderão se prolongar por um período superior aos 90 dias inicialmente acordados durante a reunião do G20 em Buenos Aires no fim de semana passado.

"As negociações com a China já começaram. A menos que sejam estendidas, elas terminarão em 90 dias a partir da data de nosso maravilhoso e muito caloroso jantar com o Presidente Xi na Argentina", destacou Trump numa sequência de quatro tuítes sobre o tema.

Destacando o envolvimento do primeiro escalão do governo nas negociações, Trump comentou que verá se "um acordo real" será verdadeiramente possível. Se não for, alertou o presidente americano, "lembre que eu sou um homem-tarifa". De acordo com Trump, estarão à frente das negociações o representante comercial dos Estados Unidos, Robert Lighthizer, o secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, o diretor do Conselho Econômico Nacional da Casa Branca, Larry Kudlow, o secretário do Comércio dos EUA, Wilbur Ross, e o assessor de Comércio, Peter Navarro.

Trump ainda ressaltou que a "China deve começar a comprar produtos agrícolas e mais imediatamente", mas complementou afirmando que o "presidente Xi e eu queremos que esse acordo aconteça, e ele provavelmente acontecerá". E acrescentou: "Quando pessoas ou países vêm atacar a grande riqueza de nossa nação, eu quero que eles paguem pelo privilégio de fazê-lo. Será sempre a melhor maneira de maximizar nosso poder econômico."

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia