Porto Alegre, sexta-feira, 13 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

30/11/2018 - 08h05min. Alterada em 30/11 às 08h05min

Bolsas asiáticas fecham majoritariamente em alta antes de encontro de Trump e Xi

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta nesta sexta-feira, com investidores sinalizando otimismo de que os presidentes dos EUA, Donald Trump, e da China, Xi Jinping, farão algum tipo de avanço no sentido de aliviar as tensões comerciais entre as duas maiores economias do mundo.
As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta nesta sexta-feira, com investidores sinalizando otimismo de que os presidentes dos EUA, Donald Trump, e da China, Xi Jinping, farão algum tipo de avanço no sentido de aliviar as tensões comerciais entre as duas maiores economias do mundo.
Trump e Xi vão se encontrar neste sábado (01) à noite, às margens da reunião de cúpula de dois dias do G-20 (grupo das 20 maiores economias do mundo) que terá início hoje na Argentina.
Se recuperando da fraqueza recente, os mercados chineses ganharam fôlego no fim do pregão. O Xangai Composto subiu 0,81% hoje, a 2.588,19 pontos, mas encerrou novembro com perda de 0,6%, a segunda consecutiva. Já o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 0,93% nesta sexta, a 1.337,74 pontos.
O desempenho positivo das bolsas chinesas veio apesar de novas evidências de que a economia do gigante asiático está desacelerando. Dados oficiais mostraram que o índice de gerentes de compras (PMI) do setor industrial da China caiu de 50,2 em outubro para 50 em novembro, indicando estagnação da atividade manufatureira, enquanto o PMI de serviços recuou de 53,9 em outubro para 53,4 em novembro, sugerindo expansão mais fraca do segmento.
Em outras partes da Ásia, o japonês Nikkei terminou a sessão em Tóquio com alta de 0,40%, a 22.351,06 pontos, acumulando ganhos de 3,25% na semana, enquanto o Hang Seng subiu 0,21% em Hong Kong, a 26.506,75 pontos, e o Taiex mostrou valorização apenas marginal em Taiwan, de 0,03%, a 9.888,03 pontos.
Por outro lado, o sul-coreano Kospi caiu 0,82% em Seul, a 2.096,86 pontos, influenciado por blue chips como Samsung Electronics (-3%) e SK Hynix (-2,7%). A queda veio também depois de o Banco Central da Coreia do Sul elevar seu juro básico de 1,5% a 1,75%, no primeiro aumento em um ano, embora o ajuste fosse esperado pela maioria dos analistas.
Na Oceania, o pregão também foi negativo na bolsa australiana, pressionada pelo setor de consumo após uma atualização negativa da Coca-Cola Amatil, engarrafadora da fabricante de bebidas americana. O índice ASX 200 recuou 1,58% em Sydney, a 5.667,20 pontos, acumulando perdas de 0,8% na semana e de 2,8% em novembro, seu terceiro mês consecutivo no vermelho.