Porto Alegre, sexta-feira, 13 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

energia

21/11/2018 - 19h17min. Alterada em 21/11 às 19h16min

Governo pode levantar R$ 25 bilhões rapidamente com ativos elétricos, diz Pio Borges

Ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes), José Pio Borges acredita ser possível arrecadar mais de R$ 25 bilhões com a venda de ativos do setor de energia no primeiro ano do governo de Jair Bolsonaro. Ele defende a venda de ativos isolados da Petrobras e da Eletrobras para agilizar o processo e afirma que há muitos investidores interessados.
Ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes), José Pio Borges acredita ser possível arrecadar mais de R$ 25 bilhões com a venda de ativos do setor de energia no primeiro ano do governo de Jair Bolsonaro. Ele defende a venda de ativos isolados da Petrobras e da Eletrobras para agilizar o processo e afirma que há muitos investidores interessados.
Para ele, privatização não tem modelo único. Mas dada a urgência do problema fiscal a curto prazo, iniciaria pela venda de ativos enquanto são feitas as modelagens para vendas e concessões mais complexas.
"Eu venderia R$ 20 bilhões, R$ 25 bilhões em ativos em curto prazo e com muita facilidade. Os compradores estão aí e estão interessados em comprar ativos. São a Brookfield, a Vinci, a Pátria, as empresas chinesas, a Engie", disse, referindo-se principalmente aos ativos do setor elétrico.
Na área de petróleo, o executivo, que atualmente preside o conselho do Cebri, acredita que a Petrobras poderia vender com rapidez a BR Distribuidora, uma parte do refino e a distribuição de gás. "O gás natural será, ao meu ver, a grande fonte de energia do País. O gás do pré-sal será suficiente para construir duas (hidrelétricas de) Itaipu e isso não pode ficar para depois Temos pressa de viver", disse, em intervalo do seminário Diálogos para o Amanhã, realizado pelo Cebri.