Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 20 de novembro de 2018.
Dia Nacional da Consciência Negra. Dia Universal das Crianças.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

crédito

Edição impressa de 19/11/2018. Alterada em 19/11 às 01h00min

Itaú extingue cartão de crédito Diners no Brasil

Banco informa aos clientes que bandeira será substituída pelo Visa

Banco informa aos clientes que bandeira será substituída pelo Visa


/MARCELO G. RIBEIRO/JC
O Diners vai acabar no Brasil. O Itaú Unibanco começou neste mês a notificar usuários da bandeira sobre a descontinuidade do produto, que será substituído por cartões Itaú de bandeira Visa. No País, a marca pertencia ao Citibank, cuja área de varejo foi adquirida pelo Itaú em 2016.
Criada em 1950 nos EUA, após um advogado perceber, ao tentar pagar a conta em um restaurante, que esquecera sua carteira, a americana Diners Club foi a primeira companhia de cartão de crédito independente do mundo.
No início, a bandeira era aceita basicamente em restaurantes. "Essa aura de inovação chamou a atenção de um membro das indústrias Klabin, que logo trouxe o Diners para o Brasil, mas restrito a amigos e familiares", afirma Boanerges Ramos Freire, presidente da consultoria Boanerges & Cia. Só a partir de 1970, diz, a bandeira adquiriu relevância no País. "Nos anos 1980, a Credicard comprou o negócio e transformou em um cartão premium."
Assim, o Diners se firmou como um produto para a alta renda - um dos principais "mimos" são as salas VIPs em aeroportos, cujo acesso deverá ser barrado. "O objetivo era concorrer com o American Express, mas o Diners nunca chegou perto da fama do Amex. Depois de um tempo, entrou em decadência", diz Freire.
Em 2013, a Credicard foi adquirida pelo Itaú, mas o Diners permaneceu no Citi. "Visa e Mastercard também criaram cartões premium, com a vantagem de terem uma aceitação ampla pelo mundo. Isso matou o Diners e limitou muito o Amex, que foi adquirido aqui pelo Bradesco."
Com a extinção da bandeira no Brasil, os clientes Diners Club Internacional Multiplus virarão Multiplus Itaucard Gold Visa. Quem tinha Diners Club Exclusive e Diners Club Internacional mudará para o Credicard Exclusive Platinum Visa - detentores destes cartões terão dois acessos às salas VIPs por um período de 12 meses, sem renovação.
Havia 172,1 mil cartões Diners ativos no fim de 2017, segundo análise da Boanerges com base em dados do Banco Central. O Itaú diz que, com a migração, os clientes terão uma bandeira de maior aceitação e poderão acumular mais pontos. A substituição dos cartões será automática. Até janeiro de 2019, o novo plástico será entregue no endereço já cadastrado pelo usuário, com nova senha e código de acesso à central de atendimento.
O cartão deve ser desbloqueado nos canais de atendimento do Citi, no site www.citi.com.br ou pelo telefone 4004-2484 (capital e Região Metropolitana) ou 0800-701-2484 (demais localidades). Depois, é preciso alterar as senhas.
Mesmo após o desbloqueio, os canais de atendimento permanecerão os do Citi por um tempo. A migração para os canais do Itaú será feita entre fevereiro e março de 2019. Segundo informou o Itaú, a anuidade do Diners será mantida ao menos até a renovação do plano vigente.
A forma de envio de faturas, por e-mail ou correio, permanecerá a mesma. Após a substituição do cartão, faturas fechadas poderão ser consultadas pelo CitiPhone.
No site só estarão disponíveis aos clientes as faturas geradas depois da troca. O Itaú diz que a migração não influencia a concessão de crédito, mas o limite poderá ser revisto mais adiante.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia