Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Moda

Notícia da edição impressa de 22/11/2018. Alterada em 13/11 às 17h29min

Prodígio das bolsas, Pedro Herolds ingressou no mundo fashion aos 16 anos

Designer é natural de Santa Cruz do Sul e iniciou a criação de bolsas em couro aos 17 anos

Designer é natural de Santa Cruz do Sul e iniciou a criação de bolsas em couro aos 17 anos


ARTHUR WENDLAND/DIVULGAÇÃO/JC
Ana Fritsch
O designer Pedro Herolds, natural de Santa Cruz do Sul, ingressou no mundo fashion aos 16 anos, fazendo roupas. Aos 17 anos iniciou a criação de bolsas em couro. Nascia a Herold’s, com produção própria e artesanal, totalmente realizada no Brasil. O designer, hoje com 19 anos, explica que a marca aposta na exclusividade e no refinamento do mercado de luxo. “Cada modelo tem, no máximo, 20 unidades, o que garante uma peça limitada e quase única”, disse ele durante o lançamento da coleção Sweet Summer 2019, no último dia 13, em Porto Alegre.
O designer Pedro Herolds, natural de Santa Cruz do Sul, ingressou no mundo fashion aos 16 anos, fazendo roupas. Aos 17 anos iniciou a criação de bolsas em couro. Nascia a Herold’s, com produção própria e artesanal, totalmente realizada no Brasil. O designer, hoje com 19 anos, explica que a marca aposta na exclusividade e no refinamento do mercado de luxo. “Cada modelo tem, no máximo, 20 unidades, o que garante uma peça limitada e quase única”, disse ele durante o lançamento da coleção Sweet Summer 2019, no último dia 13, em Porto Alegre.
Todos os produtos vêm acompanhados de número de série e certificado de garantia. São bolsas, mochilas e carteiras produzidas com materiais nobres, como couro, verniz e metais banhados a ouro. Inicialmente, a coleção é composta por três bolsas de couro nude com palha branca natural e um toque de três convidadas especiais: Rosangela Nectoux, Ana Mähler e Bianca Santini. As artistas contribuíram com uma pintura à mão para cada um dos modelos.
A produção é dividida por coleções, que são atualizadas a cada duas semanas. As bolsas podem ser adquiridas pelo site www.heroldscompany.com ou entrando em contato pelos telefones (51) 2109-0946 e (51) 98422-9045.
Jornal do Comércio: Conta para a gente como surgiu a Herold´s.
Pedro Herolds: Comecei aos 16 anos, mas na verdade com outros produtos, com roupas. Com as bolsas iniciei, oficialmente, aos 17 anos. Foi quando conheci uma mulher que havia trabalhado durante 30 anos em uma grande marca de moda. Ela tinha a experiência necessária para me ajudar, principalmente pela questão da minha idade. Saí do Ensino Médio e fui cursar administração, mas sabia que não era o que eu queria. Fui estudar administração para agradar meus pais, só que que já seguia no ramo da moda. Tranquei a faculdade e comecei a fazer moda, na UniRitter, em Porto Alegre. Mas tive que trancar, porque a produção das bolsas começou a tomar muito tempo.
JC: Como funciona seu trabalho?
Herolds: Em Santa Cruz tenho um atendimento exclusivo para as clientes, justamente o que é que quero trazer pra Porto Alegre. Atendo em casa, levo as bolsas, espumante, até babá, se precisar, para que as crianças tenham toda a atenção enquanto as mães experimentam os produtos. Trabalho com uma equipe de cinco pessoas para atender um cliente. Comecei com as bolsas, então sempre gostei de ter uma característica minha, tantos nas ferragens, como na embalagem, com as caixas, certificado de garantia, número de série. Todas as bolsas têm de três a cinco anos de garantia.
JC: Quais as novidades da marca?
Herolds: Este ano comecei a fazer os lenços, por ter uma pegada mais veraneio. As estampas também são todas minhas, faço o lenço exclusivo também. Nas bolsas, por exemplo, é possível escolher a cor, o modelo, a ferragem. Sou uma pessoa muito clássica, por mais que tenha 19 anos, então gosto da ideia do mais tradicional, não gosto daquela bolsa em formato de estrela, por exemplo, ou em formato de joaninha. Por isso meu produto atende todas as mulheres.
JC: Qual é o tipo de material que você usa?
Herolds: Sempre couro, nenhuma forma de sintético. Trabalho com o couro a laser, por exemplo. Uso pelica também. Mas é sempre o couro. As ferragens são banhadas a ouro 18k. Todas as bolsas vêm com todos os certificados. O certificado das peças pintadas é diferente, pois elas vêm vem com o certificado também das pintoras. A Ana Mähler é de Santa Cruz, mas mora em Porto Alegre; a Bianca Santini e a Rosangela Nectoux são de Porto Alegre. Elas fizeram especificamente esse trabalho, é uma bolsa por pintora. Pretendo produzir uma bolsa maior, mas puxando a característica da pintura, com couro e palha. Essas foram produzidas com a ideia de coquetel, porque como é uma bolsa pintada, por si já chama a atenção.
JC: Há outras novidades para 2019?
Herolds: Para o ano que vem também pretendo fazer algumas pinturas nas bolsas em couro, estilo Dolce&Gabbana. Aquelas são na palha, é uma palha natural, não tem nenhum químico, é traçada manualmente, então foi pintada com tinta mesmo, à mão. Tenho produção artesanal própria, hoje somos em seis funcionários. Os preços variam de R$ 499,00 a R$ 1799,00.